Pular para o conteúdo principal

A melhor coisa para paquerar na modernidade (?)


Estávamos sentados no meio de uma praça de alimentação de um shopping movimentado da nossa cidade. Eu não sabia o que dizer, ele menos ainda. Logo ele que vinha puxar assunto comigo todos os dias no whatsapp! Fiquem sabendo que esse é o mal do mundo moderno, as pessoas não sabem mais conversar quando estão uma de frente para a outra, olho no olho. Nos sentimos mais a vontade utilizando emoticons.

Mas também, aonde eu estava com a cabeça quando aceitei sair com esse cara? Aonde estava o meu bom senso quando baixei no meu celular o tal aplicativo que minhas amigas diziam ser a melhor coisa para paquerar na modernidade? Nota-se que eu disse paquerar e isso já mostra o quão antiquada eu sou. Não sei porque fui querer bancar a moderninha!


Ele foi simpático, confesso. Como eu disse, puxou assunto comigo durante vários dias consecutivos, sem nem tocar no assunto de sairmos, quando na verdade, isso já é algo meio que implícito quando duas pessoas se curtem nesse aplicativo, pelo que li nas regras. Agradeci, pois se após conversarmos por dias, esse "encontro" já estava sendo uma tragédia, imagina se acontecesse antes de hoje?


Mas a verdade é que eu preferia ele de boca fechada mesmo. Ele tinha uma voz muito estranha. Fanha, fina e eu já disse estranha? Eu tive que me segurar para não rir assim que ele disse a primeira palavra. Além do mais, tínhamos marcado de ir ao cinema e depois jantar em algum lugar, logo, coloquei o meu vestido preferido e ainda olhei tutorial de maquiagem para um primeiro encontro no youtube. E sabe como ele me apareceu? Com uma camisa do Botafogo e um tênis de corrida. Tenho nem palavras para expressar o que senti naquele momento.


Fomos assistir a um filme que eu estava louca para ver. O filme era lindo e triste, então me expliquem, por favor, o porquê dele ter ficado rindo como se tivesse assistindo a um programa de comédia da Multishow? Nunca senti tanta vergonha na minha vida! As pessoas estavam chorando, inclusive eu queria chorar, e ele gargalhando. 

Depois do cinema, as coisas só foram de mal a pior, porque ele era realmente muito bobo e ficava repetindo as mesmas coisas diversas vezes. Tudo bem que não tínhamos assunto, mas entre uma opção e outra, o silêncio é uma ótima saída.

Para resumir e dar um crédito ao rapaz, ele me levou num restaurante de massas incrível, o que não fez da noite um completo erro. E foi isso. Inventei uma desculpa ridícula para ir embora mais cedo e não, eu não dei sequer um beijo nele, o que deve ter sido uma grande decepção para o coitado - que, por sinal, ainda puxou assunto comigo alguns dias após esse encontro. Dá para acreditar?

O que eu realmente quero dizer é que longe de mim julgar os adeptos dessa nova forma de conhecer pessoas, mas para mim não funcionou. Podem me chamar de antiquada ou romântica demais, mas senti que estava forçando algo deveria ser natural. Na verdade, faltou alguma coisa. Uma troca de olhares, um sorriso no canto da boca, aquele interesse no estilo, no andar, no jeito de conversar, e não simplesmente em uma foto. 

Ps: Ele era bem bonitinho e até melhor do que nas fotos, pelo menos nisso não foi propaganda enganosa!

Comentários

  1. Gostei muito desse texto, Carol, e ri bastante! =)
    Eu estava pensando nisso nessa semana, porque minha mãe tá bancando o cupido de duas pessoas que nem se conhecem e eles parecem bem empolgados, sabe? Fiquei pensando se eu teria a mesma coragem de sair com alguém que não conheço, acho que não.
    Na verdade, desde sempre eu fui assim como você. Parece que coisas marcadas ou combinadas não funcionam bem...
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa era a intenção! :)
      Que bom que gostou, Glenda!
      Sei muito bem que somos parecidas nesse sentido.
      Bjs!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente