Pular para o conteúdo principal

O amor que eu quero.


O meu ponto de ônibus fica em uma praça e enquanto eu esperava que ele viesse, vi um casal de velhinhos que estavam brigando. Feio mesmo, e ao final, a senhora o deixou falando sozinho. Ele ficou bastante sem graça e olhando para mim, deu um sorriso como quem diz “faz parte” e foi atrás dela. Eu que não consegui parar de olhar aquela cena (em parte porque achei, no mínimo, diferente), ver aquele senhor ir atrás de sua esposa, me chamou muito a atenção. Quem sabe o errado era ele e ela, cansada de mais um erro, foi embora para esfriar a cabeça? Quem sabe era mais um exagero de mulher, mais um show que nós, modéstia a parte, adoramos fazer? Quem sabe ainda foi só uma briga boba que logo iria passar? Mas nada disso importa, a questão é que ele foi atrás dela. E isso, nos dias de hoje, compete de igual para igual com o seu oposto: deixar pra lá. As pessoas desistem fácil, não querem lutar, não querem se sacrificar. E isso pode ser qualquer coisa, menos amor. Não me venha com essa história de amor-próprio porque esse é fundamental e eu reconheço o seu valor, mas em uma relação verdadeira ele não é tão primordial assim porque outras coisas são igualmente importantes. O fato é que o amor que eu conheço é ceder de vez em quando, porque é imensa a vontade de estar junto e bem, acima de tudo. O amor que eu quero para mim é igual ao desse casal, que provavelmente já discutiu diversas outras vezes durante o seu casamento, mas que ainda assim, o senhor foi atrás, não deixou de lado, sem sentir vergonha por isso. Porque amar é confiar e por isso, um pensa no outro e não sente falta de pensar em si mesmo, porque tem certeza que o seu parceiro está fazendo esse papel muito bem.

Maria Carolina Araujo

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente