Pular para o conteúdo principal

Carta a ele.


Oi Pedro,

Não esperava encontrar uma carta sua em meio ao amontoado de correspondências aqui de casa. Foi uma surpresa boa, confesso. As coisas estão muito bem na minha vida, voltei ao Brasil há menos de duas semanas, por isso, demorei a responder.

Ao terminar de ler a sua carta, parei para pensar no quanto o amor vai muito além de sentir borboletas no estômago. Ele é cruel e doloroso, obriga-nos a ser mais forte do que imaginamos ser e no final, ainda assim, sobram boas lembranças.

Você se lembra quando eu te falei que nunca havia sofrido tanto por alguém, dias antes de embarcar? Meu coração precisava te dizer aquilo. Desculpe se te magoei, mas hoje eu posso dizer que são os opostos que o amor nos proporciona. Eu te amei como nunca havia amado também. E quando nos perdemos, o sofrimento inédito seria inevitável.

Ainda me lembro da sua voz, mesmo que vagamente. Ainda me lembro do quanto adorava andar de toalhas pela casa e a cada dia fazer uma nova dança engraçada para mim, enquanto eu tentava terminar de escrever algum conto novo. Ainda me lembro do quanto sorríamos juntos. Era constante, era simples.

E por isso até hoje ainda não entendo o motivo pelo qual terminamos. Se é que teve um motivo, único e crucial, além de uma junção de pequenas coisas, como você mesmo disse. E ainda assim, concordo com você quando diz que foi o melhor.

Dentre diversos motivos, foi melhor porque eu pude fazer aquela viagem que eu tanto sonhava e você nunca se interessou. Melhor porque eu encontrei o Fernando. Você deve ter visto no Facebook. Terminei o meu roteiro de viagem com ele e ainda acrescentamos lugares novos. Ele adora ler todos os meus textos, coisa que você tinha preguiça e eu sabia porque comentava as mesmas coisas de todos eles.

O Fernando também me faz sorrir e ainda fez aparecer o meu lado maduro. Ele me incentiva em tudo que eu faça ou sonhe fazer, ele acredita mais em mim do que mesma e eu precisava de alguém assim ao meu lado. Eu precisava de alguém maduro.

Por fim, obrigada, eu devo dizer, você foi o amor mais alegre e bobo que eu tive.

E obrigada, finalmente, por ser uma lembrança carinhosa que eu guardarei para sempre.

Melhor que não responda essa carta. Deixe como está.

Se cuida e juízo.

Flávia. 

Comentários

  1. Que lindo, é bom quando estamos bem e o amor se torna apenas uma lembrança carinhosa.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  2. Incrível como sempre! Quando comecei a ler, jurava que era real, que você recebeu mesmo uma carta e que respondeu assim! Até ler o Flavia no final pra entender, como pode ser tão talentosa? Tô encantada! <3 Parabéns!

    mabeato.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha que booom que achou isso!! rs
      Obrigada Marcella, mesmo! *-*

      Excluir
  3. Nossa, como você escreve bem, e falar de amor é com você mesmo, muito lindo, amei!

    http://destinoincertoo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Já fiz isso de querer deixar como está.
    Muitas vezes é preferível guardar boas lembranças do que começar uma discussão sem fim que estrague todas elas...

    Belo texto!
    Um beijo,

    http://algumasobservacoes.blogspot.com.br/
    http://escritoshumanos.blogspot.com.br/
    http://nossocdl.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Os vários tipos de amor quando descritos ficam tão... lindos.
    Eu gostei da sua carta, lindona, acho que as vezes é melhor deixar algumas coisas de lado e lutar pelas quais valem "mais" a pena. Curti muito.
    http://www.senhoritaliberdade.com/

    ResponderExcluir
  6. Amei o texto. Realmente existem amores que nos preparam para novos amores, e toda felicidade e sofrimento é válido para amadurecer.
    Obrigada amore pela visita la no Blog.
    Bjs
    www.laiscristine.com

    ResponderExcluir
  7. Algumas coisas realmente devem ficar sem resposta. Lindo texto. Tenha um dia abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. É muito bom quando termina e simplesmente vira amizade, sem um rancor..
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Incrível que quando leio seus textos, SEMPRE me lembro de alguma fase da minha vida. Você é ótima. :)
    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
  10. Owwwn, gente..Que lindo! Mas, seguir em frente é necessário.

    http://senhoritapriscila.blogspot.com
    Curti a fan page? (www)
    @priscilafrr,
    beijo.

    ResponderExcluir
  11. UAU! Esse tá ainda melhor que o primeiro que li (a carta dele).
    Sério, seus textos são lindos e profundos, além de muito bem escritos.
    Parabéns, Carolina. Você arrasa!

    Beijoss
    Meu Livro, Meu Mundo

    ResponderExcluir
  12. Gostei da sua carta, realmente pareceu real kk
    Certas coisas tem que ficar para tras mesmo. Já escrevi algo assim, baseado na realidade mesmo. Não consigo 'forjar' algo.. Enfim, gostei daqui, favoritei e vou seguir seu blog *--*

    Feliz 2014 para vc o/
    kisu
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente