Pular para o conteúdo principal

Fim do jogo masoquista


Desde o momento em que coloquei os pés fora de sua casa, eu sabia que era o fim. O meu coração se fechou, como nunca. As lágrimas escorreram sem controle e, por minutos, esqueci o caminho da minha casa. Atordoada, desacreditada, já sabendo que não tinha mais jeito.

E tudo isso porque adiamos o fim, muitas e muitas vezes. Afinal, eu nunca quis abrir mão de você, doía pensar que haveria alguém depois de mim. Doía imaginar você chamando outra mulher de sua e ao acariciar os seus cabelos, dizer que a ama. Esse amor que um dia já foi tão meu, tão nosso!

E eu sentia que era exatamente assim com você também. Não queria acreditar que o meu corpo jamais tocaria o seu novamente e ainda seria tocado por outro homem. Que eu experimentaria de um outro prazer, de um outro colo e teria uma nova voz ao meu ouvido. Sei disso, porque ao ir embora, os seus olhos te denunciavam, tão desesperados e angustiados.

Quando exatamente aconteceu, a gente nunca soube. Talvez naquele dia em que você não disse que me amava quando era tudo que eu precisava escutar no momento. Talvez quando me convidou para jantar e eu preferi ficar em casa lendo um livro antigo. Pequenas decepções, grande estrago. Nenhum dos dois quis assumir, mas de todas as formas demonstrávamos medo. Demonstrávamos que já sabíamos o rumo que estávamos tomando, mas permanecemos calados.

Perdemos a coragem, preferimos nos afastar. Virou um jogo de quem sobrevivia por maior tempo naquela situação. Insuportável, a gente se perdeu um do outro ainda andando de mãos dadas pelas ruas. Viramos meros conhecidos morando sob o mesmo teto e dormindo na mesma cama.

E só hoje eu decidi abrir mão e te dar a vitória desse jogo masoquista que entramos. Falei pouco, pois era desnecessário explicar o que você entendia muito bem. Enquanto arrumava as minhas coisas, você apenas me observava com seus olhos azuis, que mais pareciam ter pedido a cor. Levou-me até a porta, beijou minha testa e disse “nunca vou encontrar alguém igual a você”.  Sorri e me virei para que não pudesse ver as minhas lágrimas.

Eu sabia que não. Eu também jamais terei alguém como ele ao meu lado.

Comentários

  1. Uma tristeza esmagadora perder um amor com pequenas atitudes importantes. =*

    Beijos
    http://manuellamontesanto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Temos que tomar cuidados em algumas atitudes.
    Beijos
    http://blogdabellas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Tudo fica triste quando não estamos com quem gostamos, quando vira rotina. A maneira como nos comportamos, às vezes, cai dentro de uma caixa cheia de mais tristezas dentro. Enche e dá no resultado do texto.
    Acho que não dá pra entender muito bem o que eu quis dizer, mas é mais ou menos isso que está escrito.
    Linda *-*

    Beijos, Ang
    Nepente

    ResponderExcluir
  4. É complicado quando uma coisa chega ao fim, até porque o ser humano não aceita o fim de coisas boas e que fazem bem. Ótimo texto. Muito lindo.

    http://destinoincertoo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Me identifiquei bastante com o texto. Uma coisa que eu aprendi é que, infelizmente, "o amor nunca dura". E a gente custa aceitar o fim das coisas, mesmo que elas sejam necessárias. E principalmente aquelas coisas que já nos fizeram feliz. Mas... Faz parte né?

    xx, www.ladodecoragem.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, mas não concordo poxa! O amor dura sim, dura enquanto for necessário. Uma semana ou uma vida inteira! :)

      Excluir
  6. Oi, Carol!

    Puxa, esse seu texto ficou lindo! É triste termos de ir embora, mesmo que ainda saibamos que a pessoa vai ficar pra sempre na nossa memória. Acontece, né? Só que, depois que nos desconectamos dela, é difícil reconectar. É por isso que seguimos em frente, eu acho. Temos de deixar o passado lá longe.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poisé... O coração até ama, mas a gente não sabe como ama-la. É estranho!

      Excluir
  7. Lindo texto. As mudanças sempre dão um trabalhão pra gente, mas são super necessárias. Viver sofrendo não dá. Tenha uma semana abençoada, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Ai, Carol, você sempre se supera nos textos, viu?
    Esse trecho "Pequenas decepções, grande estrago." foi o que partiu meu coração junto com o deles. Tantas coisinhas, tantas atitudes... a gente vê as coisas acontecendo e não consegue fazer nadinha.

    Parabéns pelo texto!
    Um beijo
    www.naotenhopressa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaaa *-*
      Mas é exatamente isso... É complicado e triste né?

      Excluir
  9. Você arrasa, cara. Já disse mil vezes aqui no blog que eu SEMPRE me identifico com seus textos e esse foi mais um dos que eu me identifiquei. Não tive tantos fins de relacionamento assim, hahaha, mas o fim pode ter várias faces e pode ser vários em um só. Amei :)
    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha você é uma lindaaa! Obrigada mesmo! :')
      Sem dúvidas, mas acredito que esse fim que descrevi é o mais triste de todos.

      Beijos,
      www.miragemreal.com

      Excluir
  10. Seus textos são únicos e a cada texto fica cada vez melhor <3

    http://l-ovelythings.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá Carol, tudo bem?
    Outro texto maravilhoso, hein!
    Bom, eu nunca passei por algo desse tipo, não me identifiquei, mas mesmo assim você conseguiu me emocionar!

    Beijo,
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ownn, é isso que importa né? Não dá pra todo mundo ter passado por tudo que escrevo, rs
      Mas o que eu quero é que minhas palavras toquem as outras pessoas ♥

      Excluir
  12. Que triste. Juro para ti que chorei enquanto lia, lembrei de tantas coisas que sei la..
    Aff me desculpa!!


    kisu
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se realmente for sério, juro que fico contente por minhas palavras terem te tocado! :)

      Excluir
    2. Foi sim Maria. Acabei tendo uma pequena inspiração para um texto, mas de tanto chorar não conseguir terminar..
      Amor é uma coisa complicada...

      Excluir
  13. Post interessante..e bola pra frente!
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Adorei o texto. "pequenas decepções, grandes estragos.."

    http://www.paaradateen.com
    http://www.facebook.com/PAARADATEEN

    ResponderExcluir
  15. Outro texto lindo Carol! Mais uma vez fiquei boquiaberta com a forma que você usa as palavras para falar de sentimentos! Eu raramente leio crônicas, mas todas as vezes que visito seu blog acabo lendo todas as crônicas que ainda não li xD!
    Beijos
    Meu Filme virou Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own, que bom que gosta Juciele! De verdade!
      Sei que vindo de alguém como eu, "sem credibilidade", as pessoas não leem, mas só preciso disso, uma chancezinha, alguém igual a você, disposto a ler :)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente