Pular para o conteúdo principal

Um último ato de desespero.


Oi,

Não se espante por estar recebendo uma carta minha, pois a verdade é que ela está para ser entregue há semanas, mas como sempre, eu não tive coragem de entregá-la - ou me entregar, como preferir. Não que agora eu finalmente tenha me tornado um símbolo de bravura, pelo contrário, esse é, sendo bem sincero, um último ato de desespero.

Um ato de quem percebeu que não aguenta mais viver um dia se quer sem você. De quem percebeu que foi um imbecil por ter se deixado levar pelo orgulho e pelo medo. De quem percebeu que mesmo você não me respondendo e não querendo mais saber de mim, como já ouvi dizer por aí, não poderia desistir sem tentar. 

Você me conhece mais do que qualquer pessoa desse mundo e por isso mesmo foi embora. Eu demorei a entender. Afinal, de que outra forma eu poderia acordar? De que outra forma, mergulhado em meu pânico sem fundamento, eu perceberia que teria que fazer algo se não te perderia para sempre? De que outra forma eu tomaria a decisão de enviar essa carta?

Antes de mais nada, eu não concordo com o ditado de que só se perde para dar valor. Não concordo porque eu sempre soube da sua importância, sempre reconheci no meu íntimo que te amava mais do que tudo que amei na vida. Eu só nunca soube lidar com isso, nunca soube te mostrar e te fazer acreditar no meu sentimento. Preferia escondê-lo, esperando que você descobrisse de alguma forma tudo que havia aqui dentro.

Mas você precisa reconhecer, eu não sou o cara mais idiota que cruzou o teu caminho, não fui um canalha, nunca coloquei outra pessoa na minha cama desde que você apareceu, nunca te tratei mal. Eu só não sei amar. Não sei ser tão carinhoso. Não sei ser tão atencioso, tão minimalista. Não sei enviar mensagens de bom dia quando o meu humor pela manhã é horrível. Não sei abrir mão do meu futebol para assistir contigo algum filme de mulherzinha. Não sei como reagir, me portar diante do tanto que você me rodeia e me ocupa. É muito e me assustava.

Eu não sei, nunca soube ser uma pessoa digna de orgulho e é por isso que eu tive medo. Por isso eu criei aquela muralha miserável entre nós, quando tudo estava indo tão bem. E isso aqui é só para te dizer que, apesar dos meus receios, eu quero aprender essas coisas que alguns nascem sabendo – feito você – e outros tem um pouco mais dificuldade. Mas eu quero que você me ensine, e tem de ser você, não pode ser outra pessoa. Eu quero ser melhor, eu quero mudar o desfecho dessa nossa história. Acredita em mim? Só te peço mais um pouquinho de fé no meu amor, e eu prometo não te decepcionar.

Volta pra mim, Marcela. Minha cama, meu peito e a minha vida te esperam.

Te aguardo ansiosamente no mesmo endereço de sempre,

Danilo.

Comentários

  1. Amei o texto, lindo demais

    http://adventure-of-two-girls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Belo texto, Carol, mesmo que um tanto angustiante...
    Achei bem interessante a parte que ele abre mão do seu orgulho pra aprender a ser uma pessoa melhor. =]

    Beijo, com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ai, já comecei lendo sobre cartas não enviadas e isso já me pegou. Já escrevi várias. Mas o Danilo é uma pessoa muito mais corajosa do que eu.
    Nunca consegui engolir meu orgulho e me abrir desse jeito e, quando era tarde, eu só percebia que já tinha perdido as pessoas.
    Tomara que o Danilo se doe e que a Marcela aceite dividir esses momentos com ele!

    Texto incrível.
    Um beijo
    www.naotenhopressa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tão comum né Karla? Só eu sei o quanto já escrevi também e nunca enviei!
      Orgulho é tão bom quanto horrível, nesse caso, só nos atrapalhou :/
      Também tô torcendo pelo Danilo!! rs

      Excluir
  4. Que carta emocionante, é e apertar o coração. Eu já deixei de enviar varias cartas sabe...

    Blog: http://teoremademari.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ai, Carol. Um garoto nunca escreveria uma carta tão linda. HAHAHA. Infelizmente. Se vc conhecer algum, me fala, por favor hahaha.
    Saudades de vir aqui.

    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, conheço sabia? Conheço mesmo alguns raros rapazes que teriam essa sensibilidade!
      Posso te passar os contatos!! rs
      Saudade de você por aqui também... :)

      Excluir
  6. Ai eu nemm sei o que dizer. Acho que tbm nunca consegui mandar uma carta, na verdade acho que de verdade não consegui escrever direito uma para chegar a enviar ..
    Os textos que escrevo acredito eu que não são o suficiente, preciso de algo mais, de palavras certas para expressar direito. Realmente ele teve coragem, coisa que muitos não tem, principalmente homens..
    Um dia quem sabe eu consiga essa coragem,?
    Boa sorte a ele e que Marcela, veja o quao ele errou e quer concertar :D


    Kisu
    eraoutravez.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um exercício... Primeiro de tudo é engolir o orgulho, igual o Danilo :)
      Boa sorte mesmo!!! ♥

      Excluir
  7. Profunda e meio trágica... é de verdade?!
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. É maravilhoso quando alguém deixa o orgulho de lado para fazer o amor dar certo.
    Lindo, Maria!

    Nepente

    ResponderExcluir
  9. Incrível como seus textos realmente sempre dizem algo que eu já fiz ou quis fazer. Quando me casei, logo no começo, abri mão de um orgulho imenso que eu nomeava de privacidade , mas que na verdade só criava desafeto e desconfiança no meu marido. Meu casamento é muito melhor hoje em dia, na época achava que tinha feito a vontade dele, hoje vejo que segui seu conselho e fiz o que era melhor pra nós. Vale muito a pena deixar o orgulho de lado.

    Amo seus textos, sucesso!
    www.mabeato.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que coisa boa Marcella, você fez o certo, não tenha dúvidas.
      Muito obrigada ♥

      Excluir
  10. Nem sei o que falar, passa essa carta do masculino pro feminino e você acabou de descrever minha história! AHSAH
    “Eu só não sei amar. Não sei ser tão carinhoso. Não sei ser tão atencioso, tão minimalista. Não sei enviar mensagens de bom dia quando o meu humor pela manhã é horrível.” MUITO EU! Uma pena que não consigo me abrir assim, nem mesmo em carta...

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jura? Ô menina, experimenta! O orgulho não nos leva a nada... Eu poderia ficar dias aqui te falando do quanto ele só atrapalha. Mas acho que sabe disso né? Só ainda continua deixando o orgulho comandar aí!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente