Pular para o conteúdo principal

Eu prefiro escrever.


Tem gente que gosta de falar, eu prefiro escrever. Enquanto escrevo, me organizo. Sou obrigada a pegar os meus pensamentos e colocá-los em ordem, para não sair um texto confuso, sabe? Enquanto escrevo, sofro de novo e vivo de novo. Nem parece que se passaram alguns dias, meses ou anos.

Mas colocar os meus sentimentos no papel me acalma e é quando começo a enxergar todos eles de forma mais clara e, vejam só, chego até a me dar conselhos. E eles servem também para alguém que leia o texto, caso eu tenha coragem de publicar, claro. (Só acho que teria que ser um grande maluco para me escutar, mas boa sorte!)


Enquanto escrevo, percebo detalhes que não tinha conseguido notar porque a minha cabeça estava um nó, um emaranhado de pensamentos bestas que poderiam ser facilmente descartados. Enquanto escrevo, vou traçando novos planos. Vou acreditando um pouco mais, vou me dando algum crédito. Afinal, eu escrevo! Isso é bonito, não é? É arte, mesmo que só eu a entenda de verdade.

Sendo bem sincera, a verdade é que quando falamos, muitas vezes, falamos besteira. Assim, sem pensar, muito rápido. Normal, né? No calor do momento, no impulso do coração. E aí ficamos com aquela cara de taxo, no minuto seguinte em que você percebe que falou demais, numa situação completamente desconfortável – para não usar adjetivos piores. 

Mas quando escrevemos, pensamos nem que seja só por um segundo - para organizar como será escrito - e mesmo que ainda assim saiam algumas besteiras, não tem ninguém te olhando, não podem te julgar, você não precisa enfiar a cara num buraco por se abrir demais. No máximo, ao final, jogar o papel no lixo. Ou o arquivo na lixeira do computador.


Escrever é algo íntimo, um momento somente seu com o seu coração. Se vai passar disso ou não, depende inteiramente de você também. Muito mais justo, não? Muito mais seguro.


Comentários

  1. Tão eu. Eu falo tanto, falo tanta merda. Me arrependo tanto. Se eu tivesse um tempinho pra pensar e esquematizar as coisas antes de falar, igual como fazemos antes de escrever, a vida seria outra.
    As mágoas, se existissem, seriam outras. Mas, sabe, pelo menos ainda podemos depois recorrer ás palavras pra processar e analisar as cosias que fizemos por impulso, né?
    Belo texto, Carol!

    Um beijo
    www.ficaprocafe.com

    ResponderExcluir
  2. Tbm prefiro escrever, mas ás vezes falar é mais prático... apesar de como vc disse, falarmos besteira, na escrita ao menos ninguém pode te julgar

    ResponderExcluir
  3. Muitas vezes eu prefiro escrever do que falar, sei lá me acalma. Talvez seja um tipo de terapia.
    http://pensamentosdefabs.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Me identifiquei completamente com o texto, Carol!
    De verdade, eu costumo dizer que "não nasci pra falar, nasci pra escrever"! E, sinceramente, isso é verdade. Sempre fui mais calada, mas ainda assim, por vezes insisto em falar e fazer besteira, me parece que não tenho controle nas palavras que saem da minha boca, então é melhor fechá-la, não é?
    Mas a escrita é diferente. Ela permite que a gente volte no passado pra consertar um erro. Ou que a gente guarde as palavras antes que alguém veja e saia apontando... Enfim, a escrita é uma arte sim e devemos nos orgulhar dela! =]

    Beijo, com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own, isso mesmo! Escrever é ter um mundo em nossas mãos né? E o melhor, ninguém pode julgar o que escrevemos!

      Excluir
  5. "Tem gente que gosta de falar, eu prefiro escrever. Enquanto escrevo, me organizo. Sou obrigada a pegar os meus pensamentos e colocá-los em ordem, para não sair um texto confuso, sabe? Enquanto escrevo, sofro de novo e vivo de novo. Nem parece que se passaram alguns dias, meses ou anos."

    Prefiro escrever! Parece que as coisas ficam mais claras quando tenho apenas um papel e caneta em mãos, falar não é meu forte, sempre me atrapalho e confundo as pessoas! Texto maravilhoso como sempreee!

    Beijos
    Blog: http://setudopodeser.blogspot.com.br/
    Page: https://www.facebook.com/SeTudoPodeSerBlog
    Instagram: http://instagram.com/raaissaamaral

    ResponderExcluir
  6. Aff eu prefiro escrever também, quando estou frustrada invento histórias!!!
    Mas falo que nem uma matraca então... hahaha, beijos!!!

    http://passaro-de-inverno.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Sou suspeitíssima para falar porque amo escrever, as palavras são minhas melhores amigas e realmente a gente consegue colocar as ideias em ordem quando coloca tudo no papel.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Eu já escrevi muito, hoje não tanto. Mas, sempre preferi a escrita, acho mais verdadeira e intensa que a fala.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  9. Maria, voce é minha irmã? Penso exatamente igual nestas coisas, amo escrever, tudo fica mais organizado e melhor na minha cabeca
    Passa no meu blog quando der, um beijo ♥
    kellencoliveira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha acho que nós blogueiras temos isso em comum né???

      Excluir
  10. Cara somos gêmeas hahaha Mas é como eu li acima agora, é mal de blogueira!
    Sabe aquelas agendas anuais?? As minhas duram 3 a 4 meses!
    Caderninhos de nota?? Tenho milhares kkkkkkkkk
    Adoro escrever... Faz uma diferença na organização e ajuda a relaxar...

    Beijo no coração! ♥
    www.ideiaconsumista.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava