Pular para o conteúdo principal

Se existe uma coisa que eu sou é decidida.


Quando eu estou apaixonada, eu estou de verdade. Sem meio termo, sem dúvida, sem pé atrás. Não que eu fique boba, mas eu realmente estendo os meus limites, deixo o meu coração comandar um pouquinho nesse meu caos. Faço de tudo para dar certo, me sacrifico, me viro e desviro quantas vezes forem preciso.

No entanto, quando eu quero distância de relacionamentos, não há nada que me faça mudar de ideia. Se eu decido tirar um tempo para mim, nem mesmo o Cauã Reymond aparecendo na porta da minha casa me pedindo em casamento, eu abro uma exceção. Falo sério.

Isso porque se existe uma coisa que eu sou é decidida e por isso, vou até o fim de tudo que me proponho a fazer. Mesmo que doa, mesmo que me desgaste, mesmo que eu esteja errada, o que eu prefiro é sempre pagar para ver. De toda e qualquer situação da nossa vida, a gente tira alguma coisa, então, nada nunca será em vão. E eu, sinceramente, prefiro ter tido a certeza de que fiz tudo, para realmente conseguir seguir em frente livremente depois caso não dê certo.

Mas eu vejo muitas pessoas infelizes por aí, e isso, simplesmente porque estão perdidas. Sem direção. Porque quando o calo aperta, pulam fora. Não conseguem seguir numa decisão por muito tempo, não aceitam o desafio por completo, apenas enquanto for conveniente e fácil.

E deve ser por isso que eu acho muito engraçado quando as pessoas ficam surpresas e dizem frases como: “nossa, mas você já esqueceu ele?”, “como assim você não está querendo namorar?” ou “você é maluca por insistir nisso!”. Eu sei o que eu preciso naquele momento, eu sei a conversa que tive comigo mesma e não, eu não sou maluca por ter aprendido a me ouvir e acreditar mais em mim.

Não são os outros que devem dizer do que eu preciso. Não é uma convenção, não é o senso comum. Ninguém me conhece tão bem quanto eu mesma e se o meu coração diz, por exemplo, que eu tenho de ficar sozinha por um tempo, Deus, por que vou contrariá-lo? É como decidir por ser infeliz. Não faz sentido.

Comentários

  1. Concordo com vc, eu sou do mesmo jeito, quando quero me afastar em um relacionamento, não ninguém no mundo que faça eu mudar de opinião. Lindo texto.

    Mixação | Um blog teen para quem pensa mix.

    ResponderExcluir
  2. Uma coisa é certa: essas pessoas não pagam suas contas, então vá ser feliz da maneira que você bem entender.
    Beijo, lindo texto!
    Nepente

    ResponderExcluir
  3. "Quando eu estou apaixonada, eu estou de verdade. Sem meio termo, sem dúvida, sem pé atrás. Não que eu fique boba, mas eu realmente estendo os meus limites, deixo o meu coração comandar um pouquinho nesse meu caos. Faço de tudo para dar certo, me sacrifico, me viro e desviro quantas vezes forem preciso" Me identifiquei.

    Eu só queria ser decidida, sempre acabo voltando atrás em uma decisão e isso acaba comigo :(

    Beijos
    Blog: http://setudopodeser.blogspot.com.br/
    Page: https://www.facebook.com/SeTudoPodeSerBlog
    Instagram: http://instagram.com/raaissaamaral

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse no texto, você acaba se perdendo. Não pode ser assim, Raissa!!

      Excluir
  4. Perfeito o texto parabéns, me identifiquei de verdade, sou persistente naquilo que eu quero, e detesto pessoas que ditam o que eu preciso ser ou fazer.
    beijo

    http://semtempestade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Alguém está com problemas com relacionamentos hein? haha'

    Eu te entendo e muito. Existem coisas que só o tempo pode
    curar, costurar ou amenizar. E abrir a mente é a principal delas.
    Quando acabamos uma relação, precisamos de tempo... É como
    um cházinho antes de dormir que nos relaxa e nos dá vigor no dia seguinte.

    Boa sorte!
    http://passaro-de-inverno.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem dera, viu? haha Só tenho pensado muito sobre esse assunto e isso me faz escrever!
      Mas é exatamente isso ai! :)

      Excluir
  6. Bem vinda ao clube, Carol! Costumo dizer que "basta você dizer que é solteira e as pessoas te tratam como uma infeliz". Acredito que é até por isso que muita gente desiste de ficar sozinha por um tempo, sabe, quando as pessoas me chamavam de maluca eu até acreditava nelas. Muita gente acha que relacionamentos são portas para a felicidade e acabam convencendo todo mundo disso, vai entender, né?
    Mas enfim, que bom que você está decidida! Continue assim, priorize você mesma! Li sua resposta no meu último comentário, e só te digo que toda essa convicção vem com o tempo!

    Beijo, com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza não é! E deve ser por isso que o amor anda tão banalizado né?
      Mas estou sim. Na verdade, eu assim com tudo, quando quero algo, vou até o fim... Só que você já me conhece um pouco e sabe o quanto engrenar numa história de amor é o meu ponto fraco né??? rs
      Mas tô tentando, tô tentando!! Sem pressa de nada!

      Excluir
  7. Amei o texto, adorei <33 Suas palavras são tão ... Não sei explicar. Amei.
    pensamentosdefabs.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente