Pular para o conteúdo principal

A culpa foi nossa.


Vou fazer de conta que nada aconteceu. Vou fingir que nos perdermos por acaso, coisa do destino. Peças, armadilhas... Tudo isso faz parte né? Eu poderia esconder o sofrimento, me fazer de conformista e ouvir conselhos tolos de todas as pessoas. Você conseguiria também? Conseguiria fingir que não tivemos outra escolha? Conseguiria passar por mim e apenas sorrir como bons amigos e com isso, termos um fim de relacionamento ideal? 

As pessoas acreditariam


Mas o motivo real a gente sabe: A culpa foi nossa. E, convenhamos, geralmente a culpa é dos envolvidos na história, mesmo que seja mais fácil inventar desculpas esfarrapadas para disfarçar a covardia. Afinal, como eu já disse, os outros aceitam (ou simplesmente ignoram). Mas não podemos enganar a nós mesmo. Não ao teu coração e ao meu. Não quando cada parte de mim admite a culpa e a outra parte te culpa mais ainda. Vai dizer que você também não? 


Nós dois sabemos que, por todas as coisas que dissemos ou deixamos de falar, nós permitimos a chegada do fim. Pouco a pouco, ele se tornou inadiável, entre os erros meus e escolhas suas. Verdades, mentiras, medos. Em resumo, uma mistura de tudo que ouvi dizer que fazia mal ao amor. Mas tudo, exatamente cada um dos ingredientes fomos nós que escolhemos e isso tem de ficar muito claro.


Fomos nós que deixamos escapar a vontade de fazer a receita dar certo. Nós. Eu e você. Ninguém de fora, nenhuma força oculta, muito menos a – sempre culpada – vida. 


Comentários

  1. Ai, Carol, senti tanta falta dos seus textos!
    Bem, algo que fazemos com frequência é colocar o que os outros vão pensar na frente do nosso "bem estar", não é? Preferimos vestir a capa da felicidade e adiar o sofrimento a longo prazo, ao invés de assumir logo as dores pra que logo sejam curadas. Vícios da humanidade.
    Algo que me preocupa em namoros é chegar à monotonia. Quando fazer as escolhas certas ou se dedicar deixa de ser importante, sabe, como você disse, é meio que agir sabendo que vai dar errado mais cedo ou mais tarde... Só tenho uma pergunta pra você Carol - e espero que não seja impertinente - tem como evitar a monotonia? Tem como evitar os "ingredientes do mal" dentro do relacionamento?
    Espero que sim! Haha! =]

    Beijo, com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Glendaaaaa, e eu senti muito a sua falta! Fui no seu blog HOJE! Ia comentar, mas achei que nem fosse ver... Que bom que voltou!!! ♥
      E respondendo a sua pergunta, eu acho que sim. Tem sim. Todo mundo erra né? Mas se quiser, dá pra acertar mais que errar. Dá pra cuidar, fazer durar. É difícil, mas dá!

      Excluir
  2. A verdade é que na maioria das vezes queremos culpar a vida, os outros, mas nós que somos os grandes culpados.

    http://iasmincruz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nós sempre queremos colocar a culpo em alguém pelos erros que cometemos. Às vezes, o fim é inevitável.

    Beijos, *-*
    Diário Nepente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes sim, mas eu realmente acho que, geralmente, a culpa é de um ou dos dois envolvidos.

      Excluir
  4. Maria, que texto mais emocionante!
    Se tratando de relacionamento é complicado falar sobre, mas para o mesmo dar certo é necessário que dispunham de tudo que afinge e mostrar a sua alma a outra pessoa, é ter coragem de se despir, de sentimentos e ideias. Mas é difícil admitir que errou e que o relacionamento que uma hora era só alegria, agora só o silêncio restou.

    Um beijo <3
    http://desconstruindoocaos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. É doído, mas é verdade. A gente vive tentando culpar os outros, mas não existe culpa maior que a dos envolvidos. Principalmente quando as pessoas sabem que é a hora de lutar por aquilo e deixam as coisas passarem, como se tivesse tudo bem. Até que não estar bem se torna normal.

    Belo texto, Carol! <3

    Um beijo
    www.reinodascoisas.com

    ResponderExcluir
  6. exatamente, a culpa é SEMPRE nossa. Somos nós que fingimos que não vemos que tá tudo desmoronando, ou nós que achamos que não temos forças suficientes e por isso não nos empenhamos em lutar, nós, de fato, somos culpados dos nossos atos.
    Um beijo,
    Isabella
    The Urban Trends

    ResponderExcluir
  7. Olá, muito bom seu texto. A mais pura verdade, geralmente a culpa é dos envolvidos na história!
    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Ai que triste...espero nunca passar por isso de novo.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente