Pular para o conteúdo principal

A quem queremos ouvir?


E antes que você me pergunte como eu consigo ser tão forte e tão independente, eu já prefiro assumir que não é bem assim... Afinal, eu tenho um coração. E isso já é motivo suficiente para que eu sinta essa porcaria que é o amor e tudo que ele carrega junto, sejam as coisas boas ou as coisas ruins. 

Sendo assim, quando eu termino um relacionamento eu choro (muito) mesmo, eu escuto Adele e até acho as letras de pagode bonitas, eu desabafo com qualquer pessoa que me pergunte se está tudo bem comigo, mesmo que seja só uma pergunta educada sem interesse nenhum no meu estado real. Eu fico completamente ridícula, de verdade. Quase enlouqueço de saudade e tenho vontades absurdas de fazer loucuras que com certeza ninguém aprovaria. Surgem ideias irracionais, penso besteira pra caramba e poderia ficar meses na minha cama lamentando sobre como a vida é injusta. 


Mas, a verdade é que, da mesma forma que eu tenho essa (bosta) de coração, tenho também um cérebro. E cérebros sim são os nossos melhores amigos nessas horas. Cérebros sim não deixam com que passemos do limite e, consequentemente, passemos vergonha. 


O meu, por exemplo, é quem me incentiva a levantar da cama todos os dias, a assistir a um filme de comédia ou de terror daqueles bem sangrentos. Ele que me encoraja a encontrar algumas amigas para me distrair e também a escrever sobre tudo que sinto para ver se esvazio um pouco o peito, além de me lembrar que um término não é um fim do mundo. Mas é ele, principalmente, que me mostra que vou me arrepender muito, mas muito mesmo, se fizer aquelas tais loucuras desnecessárias. 


Enfim,
todos nós temos duas alternativas e duas formas de encarar essa situação, só precisamos escolher a quem queremos ouvir: O nosso cérebro ou nosso coração? 

Comentários

  1. Ótimo texto! O coração sempre dá as piores ideias kkk Terminar um relacionamento, não só os amorosos mas o de amizade também, é sempre muito difícil mas como você disse não é o fim do mundo é aprendizagem!

    Beijo,
    almostthemoon.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Acho que meu melhor amigo é meu coração mesmo. Sempre fiz coisas insanas e passei muita vergonha, mas agora eu penso assim: eu não seria eu se não tivesse feito tantas bobagens, e chego numa conclusão: hoje sou feliz por ter passado tanta vergonha por causa disso. Hehe
    Mais um texto maravilhoso, parabéns Maria!

    Beijos, Ang
    Nepente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha ai que bom! o importante é não se arrepender depois! :)

      Excluir
  3. Adorei o jeito que você colocou. Como se o coração e o cérebro fossem nosso anjinho e capetinha, mas não fixos. Em determinados momentos cada um poder ser um dos dois. Por exemplo, quando estamos apaixonadas, o cérebro querendo ser racional e barrar tudo pode ser tipo um capetinha, enquanto se jogar na felicidade é o que o coração mandaria. Mas ao contrário, como você disse no texto, as vezes é o cérebro que segura a gente. Se aprendêssemos sempre a dar ouvidos para o que está certo naquele momento... a vida seria bem mais fácil né?

    Um beijo, Carol!
    www.naotenhopressa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!! :)
      EXATAMENTE!! Temos essa tendência a escolher a opção errada mesmo rs

      Excluir
  4. Eu já deixei de ouvir o coração para ouvir o cérebro. Na época sofri muito, mas hoje não tenho arrependimentos e vi que foi a escolha certa. Acho que aprendi. Tenha um final de semana abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas, eu sou mais racional e acho que nunca saímos perdendo muito não!

      Excluir
  5. Essa questão é antiga, na verdade, nós queremos mesmo é ouvir nosso coração, mas sabemos que precisamos ouvir nosso cérebro senão as coisas podem dar muito errado. No fim, dedicando um certo tempo pra ouvir o cérebro, o coração acaba se acostumando a bater no mesmo ritmo que ele.

    É assim, a gente se acostuma, e como já diria aquela música "nem todos saberão te valorizar, contudo você tem tudo, vá e conquiste seu mundo!"

    Beijo,
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Maria, que lindo! Você me descreveu perfeitamente, passo por uma situação parecida. Parabéns, adorei!

    ResponderExcluir
  7. Ótimo texto! O coração sempre parece mandar mais quando rola um sentimento tão forte quanto um término, mas devemos sempre aceitar o cérebro tem a nos oferecer! Pés no chão sempre, e vamos seguir pois a vida é muito grande pra ser desperdiçada com um caso que não deu certo!

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  8. Adorei o texto! E é exatamente isso, temos duas formas de encarar qualquer situação, mas o nosso cérebro diz uma coisa já o coração diz outra, então temos que escolher seguir o que mais nos faz sentir confortável na situação.

    Bitocas!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  9. Adorei o texto! Belas palavras!
    beijos,

    www.soentreamigas15.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. quando eu termino um relacionamento eu choro (muito) mesmo, eu escuto Adele e até acho as letras de pagode bonitas. Eu sou bem assim flor, todos passamos por esses momentos né?
    Blog: Teorema de Mari

    ResponderExcluir
  11. Eu, antigamente, era super coração, total e inteira hahaha.
    Agora eu me divido um pouco, sou bem cabeça, bem razão, mas se for só razão a vida fica insossa, sem emoção! Então o melhor é medir hehe.
    Beijos,

    www.mabeato.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza o ideal é ser dividido!
      Mas NESSA situação, o melhor é ser cabeça!! rs

      Excluir
  12. Razões e emoções, complicado, decidir entre o que queremos fazer e o que deve ser feito.

    Adorável Tédio | Fã Page

    ResponderExcluir
  13. acho importante pensar com o coração e o cerebro, balancear as coisas, sou bem mais cabeça mas é claro que o emocional as vzs vem com tudo e eu desabo
    blog lindo!
    d-a-r-k-paradise.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente