15 agosto 2016

Empatia.


Não deveria, mas ainda me surpreendo. Me surpreendo com o quanto as pessoas se tornaram descartáveis umas para as outras, em todos os tipos de relação. Li um desabafo de uma menina no Facebook e logo percebi que ela tinha terminado o namoro. Fucei, porque não me aguento, e descobri que o ex-namorado já estava postando foto com a nova namorada no Facebook. E tudo isso aconteceu em poucos dias, para não parecer exagero, menos de um mês. E já tinha fotos com a mãe, alguns amigos e declarações de amor eterno e - pasmem - planos de filhos. 

Longe de mim, que fique claro, julgar e agourar os relacionamentos alheios, mas eu realmente acho muito estranho o quanto tudo muda tão rápido. Parece idiota da minha parte e deve ser mesmo, mas eu fico com raiva. Fico com raiva da família e dos amigos por agirem como se nada tivesse acontecido. Fico com raiva do cara por tanta cara de pau. Fico com raiva de cada curtida recebida nas fotos. E se quer saber, eu mal conheço a menina que fez o desabafo. Só que independente de afinidade, tive empatia. 

E sinceramente, eu acho que é isso que mais falta hoje em dia. Eu tenho um pseudo-defeito que é me colocar sempre no lugar dos outros, e talvez isso me torne um tanto quanto trouxa, mas como lidar com uma situação dessas? Gostaria de (re)frisar que não acho que devemos julgar quem muda de relacionamento tão rápido, mas no mínimo, todos os envolvidos deveriam ter cautela. Respeito. Consideração. Seja o próprio (ou própria) que seguiu em frente, seja a sua família, sejam os seus amigos. 

Vivemos na era da internet, e se não postou, é porque não aconteceu. Por que não usar isso a favor dessa situação tão delicada? Por que não viver offline enquanto as coisas não esfriam? Por que não poupar o outro e preservar também o que está construindo de novo? Por que as pessoas esquecem que tem alguém de carne e osso do outro lado da tela do computador que vai sentir? Veja, não é deixar de viver, é somente não precisar mostrar e esfregar na cara da outra pessoa "o quanto você está muito mais feliz agora". 

É só uma questão de deixar de lado essa briga de ego, esse egoísmo. É só uma questão de ter a tal da empatia. Difícil?