18 janeiro 2016

Eu só quero que me prometa que vamos nadar contra a correnteza.



Você sabe que vai ser cada vez mais difícil, não é? Não temos mais quinze anos e as nossas obrigações passaram de apenas ser aprovado no colégio ou arrumar a cama ao acordar. Eu não preciso mais dar (tanta) satisfação aos meus pais e você mora sozinho, mas parece que antigamente as coisas eram mais fáceis quando se tinha alguém ali monitorando e nos ajudando (diretamente).

Hoje em dia eu tenho dois empregos e você dá aula o dia inteiro. Estudamos a noite e chegamos em casa só para dormir e recuperar parte das energias para encarar tudo de novo no dia seguinte. Nosso final de semana começa no sábado à tarde. Agora temos contas a pagar, problemas para resolver e uma pressão gigante para administrar sem se deixar enlouquecer.

Por isso, é muito mais cômodo reclamar do chefe, do dinheiro que não está dando, das provas que estão chegando, da falta de sono.

É muito mais fácil deixar a rotina pesar e anular os sentimentos bons.

Mas me promete que não vamos dormir sem antes desejar boa noite um para o outro? Me promete que no meio do dia você vai me ligar só para dizer que se lembrou de mim ao passar em frente a uma bacana de jornal e ver um livro da minha escritora preferida? Me promete que quando eu te mandar uma mensagem dizendo que estou com saudade, você vai entender o recado e vamos dar um jeito de nos encontrar só para terminar o dia melhor do que começou? Me promete que quando estivermos juntos, vamos deixar de lado o celular, as reclamações e aquilo que sobrecarrega?

Meu bem, eu só quero que me prometa que vamos nadar contra a correnteza. 

Porque, enquanto ter o meu colo para você deitar e eu o teu peito para encostar a cabeça, for motivo de sorriso e refúgio para nós dois, eu prometo não desistir.

04 janeiro 2016

Eu não sou mais a mesma.


Desde aquele dia na cafeteria da sua rua em que você pediu para que eu não te procurasse mais, aconteceram muitas coisas. O que posso dizer? 

Eu ainda te liguei, mas isso você sabe, mesmo que não tenha atendido a nenhuma das minhas ligações. Eu ainda chorei muito, por noites seguidas e em várias tardes de domingo. Mas verdade seja dita, eu acabei reaprendendo a caminhar sem ter a sua mãe segurando a minha. Além disso, descobri a minha série favorita e estou prestes a terminar a minha faculdade, embora já exerça a profissão que eu amo. Também conheci muitas pessoas incríveis e outras nem tanto assim, aprendi a dizer não e adoro sair aos sábados sem rumo por aí. 

Ainda guardo na memória os nossos bons momentos juntos, mas hoje em dia eles dividem o lugar com tantos outros que colecionei ao longo desse tempo. Ainda lembro que você é fã da banda Red Hot Chili Pepppers, mas não tenho certeza se o seu aniversário é dia 10 ou 11 de Junho.

Sendo bem sincera, toda vez que eu dava um passo a frente, passava pela minha cabeça que agora sim daríamos certo. Eu estava mais madura, estava mais independente e esperta. Podia te contar, te provar, te reconquistar de alguma forma. Mas pera lá, fazer isso não seria justo comigo mesma né? 

Afinal, é verdade, eu não sou mais a mesma. 

Só que definitivamente o crédito é todo meu. Eu enfrentei os meus medos e as minhas inseguranças, eu superei, hoje tenho um coração calejado, mas sem dúvidas, eu estou muito mais forte e sã.

Supervalorizei quem não me deu valor nenhum. Obviamente, a conta não batia e nunca ia bater. Percebo agora que, de fato, a decisão foi sua, mas talvez você não faça ideia do favor que me fez.