28 agosto 2013

Não tenha medo de amar.


Uma coisa que eu aprendi a não ter medo é de amar. Sabe, igual todas as meninas tem? Preferem crucificar os homens, postar textos do Caio Fernando Abreu no Facebook e fica oscilando entre fingir ter amor-próprio e gritar ao mundo o quanto está sofrendo por um babaca qualquer. Parece que é mais fácil reclamar do que mudar uma realidade. Do que arriscar novamente.

Azar do cara que te largou, que te trocou, que te fez sofrer. Bola para frente, ele não é o último homem da face terra e pensando pelo lado positivo, menos um idiota que encontrará pelo caminho. Sua chance de esbarrar com alguém bacana aumentou em alguns por centos, não vê?

Generalizar que todos os homens não valem nada, que a vida é injusta, que você nunca mais vai querer outro relacionamento, sinceramente, não vai adiantar de nada. Quando o amor chegar novamente, não vai ter como fugir e tendo essas besteiras como pensamento, só vai atrasar (ou até mesmo estragar) toda uma história que te estava reservada. Você vai ficar se torturando em vez de se entregar a uma das poucas coisas que realmente valem a pena nessa vida.

25 agosto 2013

Vida de solteira, sabe como é.


Sabe dia de chuva? Digo, chuva mesmo, com vento, que molha a gente por completo e ainda quebra o guarda-chuva? Então. Esses dias geralmente acontecem quando eu tenho algo de importante, realmente importante. Muito importante de verdade. E semana passada eu tinha. Um encontro.

Não é para achar graça, porque para certas pessoas um encontro é algo comum. Mas para mim é algo extraordinário. Primeiro porque sou encalhada e quando pinta a oportunidade, tenho que aproveitar. Segundo porque eu acredito que encontrarei o amor da minha vida em cada um deles. Onde mais encontraria?

Quando saí de casa para trabalhar, o céu ainda estava azul. Mas após o almoço, o tempo mudou radicalmente e para minha sorte, começou a chover. Ventar. Relampejar. Trovejar. Ele não ligou cancelando o jantar (mas também não confirmou), o que me tranquilizou e me apavorou ao mesmo tempo.

Atravessando a rua mais movimentada do centro da cidade, o meu guarda-chuva quebrou, com isso, o resto da minha escova acabara de ir embora. E eu estava de saia social, bem colada, que modéstia parte, me deixa com um corpo sensacional. Só não conseguia me mexer direito, mas isso é detalhe. Detalhe que me custou um tombo, uma bunda molhada e um salto quebrado. Ah! E algumas risadas de quem passava no momento.

Mas eu não desisto fácil de absolutamente nada, principalmente de homem. Peguei o meu carro, dei um jeito no cabelo e passei uma boa maquiagem. Liguei o aquecedor e logo eu estava seca. Sentia que era hoje.

Mas o meu sexto sentido sempre funcionava, ao contrário. Esperei por uma hora e meia, tirando os trinta minutos que eu já tinha chegado atrasada. Tempo suficiente para eu perceber que havia levado um bolo. Faz parte. Vida de solteira, sabe como é. Pura ironia, puro desastre, pura garra. Além da pura esperança de que está cada vez mais perto encontrar o tal alguém.

22 agosto 2013

Projeto 101 coisas em 1001 dias.

Bom, depois de ver muitas blogueiras participando desse projeto e como eu achei que ele tem um objetivo muito bacana para todas as pessoas, decidi me render. 

O projeto foi criado pelo Michael Green em 2005, e logo depois traduzido pela Patrícia Muller. Ele consiste, basicamente, em uma lista com 101 coisas que você deseja fazer nesse período de 1001 dias. Desde ler um livro até uma viagem dos sonhos. Claro, tentando ser o mais realista possível. É incrível como pode te incentivar a fazer aquilo que estamos enrolando há tanto tempo...

Para mim, será um desafio ENORME, mas espero de coração conseguir realizar todas (ou a grande maioria) das coisas listadas aqui. Sem mais delongas, vamos ao que interessa!

Início: 23/08/2013
Término: 13/04/201

  1. Passar em um concurso
  2. Atingir a marca de 5 mil curtidas na minha página do Facebook
  3. Lançar um livro
  4. Ler 50 livros
  5. Ir a Disney
  6. Ir a Argentina
  7. Ir a Aparecida do Norte
  8. Fazer uma viagem só com a minha família
  9. Fazer uma viagem só com meus amigos
  10. Fazer uma viagem romântica
  11. Comprar um domínio
  12. Aprender a fazer um prato especial
  13. Fazer a minha unha completamente (cutícula, principalmente)
  14. Fazer um curso de fotografia
  15. Dar um beijo na chuva
  16. Comprar/ganhar uma câmera profissional
  17. Juntar dinheiro para comprar o meu apartamento
  18. Ficar noiva
  19. Tratar minha mãe cada vez melhor
  20. Pedir mais desculpas
  21. Parar de ser tão grossa com as pessoas
  22. Aprender a tocar violão
  23. Ir ao show do John Mayer
  24. Ir ao show da Taylor Swift
  25. Mergulhar
  26. Aprender a passar delineador
  27. Conhecer a Sandy, poder dizer o quanto sou sua fã e bater uma foto
  28. Ter o costume de usar agenda
  29. Ter uma coluna fixa em uma revista/jornal/blog (remunerado)
  30. Ter entrado na faculdade de Jornalismo
  31. Escrever uma carta e colocar na caixa de correio de um desconhecido
  32. Ler a Bíblia toda
  33. Fazer um churrasco de aniversário
  34. Acompanhar uma série até o final (ou até acabar o projeto)
  35. Escrever uma música
  36. Ir ao teatro pelo menos 3 vezes ao ano
  37. Voltar a dançar
  38. Experimentar uma comida estranha
  39. Conhecer alguém de outro estado que admire o meu trabalho
  40. Fazer trabalho voluntário a cada três meses
  41. Fazer um piquenique
  42. Ver neve
  43. Fazer uma tatuagem
  44. Chegar no horário dos compromissos marcados durante um mês
  45. Todo ano comprar um cofre e colocar moedas de um real até encher
  46. Ir a um museu pelo menos uma vez ao ano
  47. Escrever uma carta para mim e ler 5 anos depois
  48. Ler um livro em inglês
  49. Começar a ler um nova trilogia e ler toda
  50. Fazer uma surpresa para 3 pessoas diferentes
  51. Tirar a carteira de motorista
  52. Comer uma fruta todos os dias durante um mês
  53. Comprar/ganhar um celular novo
  54. Desfilar em uma escola de samba
  55. Jantar a luz de velas
  56. Montar um álbum de fotos em mãos com os melhores momentos de cada ano
  57. Montar um quebra cabeça de 1000 peças (sozinha ou com mais uma pessoa)
  58. Dar livro de presente para 5 pessoas diferentes
  59. Comprar, no mínimo, 3 livros na Bienal do Livro
  60. Ter 3 livros autografados
  61. Ir a um casamento de alguém especial
  62. Ouvir ‘eu te amo’ da pessoa que eu amo todos os dias
  63. Ir a um rodízio de fondue
  64. Aprender uma terceira língua
  65. Andar de patins em um parque
  66. Montar uma minibiblioteca em casa (organizada e tudo mais)
  67. Plantar uma árvore
  68. Fazer uma trilha
  69. Escrever um conto a partir de um sonho que eu tiver
  70. Ficar sem beber refrigerante por um mês
  71. Estudar, no mínimo, uma hora por dia todos os dias durante seis meses
  72. Dormir na praia
  73. Ter algum bichinho de estimação
  74. Pular de para-quedas, voar de asa delta e/ou bungee-jump
  75. Ir ao circo (a última vez que eu fui tinha cinco anos)
  76. Tornar-me dizimista
  77. Não deixar de depositar (seja qual for a quantia) nenhum mês na poupança até o final do projeto
  78. Colocar silicone
  79. Ir novamente ao museu da Língua Portuguesa
  80. Adotar uma cartinha escrita para o papai Noel
  81. Comprar/ganhar uma mala de viagem abóbora
  82. Beber, no mínimo, um litro de água por dia durante três meses
  83. Conhecer, no mínimo, um blog novo toda semana durante seis meses
  84. Comprar/ganhar um box dos filmes de Crepúsculo para guardar de recordação
  85. Comprar/ganhar uma blusa nova do Flamengo
  86. Ir ao novo Maracanã
  87. Voltar a fazer Jump
  88. Permanecer nos 45kg
  89. Dar um beijo na virada do ano
  90. Aprender a jogar um novo jogo de vídeo game/computador
  91. Fazer um corte diferente no cabelo
  92. Ler, no mínimo, mais 5 livros da Agatha Christie
  93. Trocar de perfume (uso o mesmo há uns 5 anos)
  94. Comprar/ganhar, no mínimo, 5 novos brincos até o final de 2013
  95. Comprar/ganhar lingeries novas todo mês até o final do projeto
  96. Tirar fotos de todos os lugares diferentes que eu for
  97. Conseguir deixar de lado o que não me acrescentará em nada, o que só me faz mal
  98. Visitar todos os anos o colégio em que me formei
  99. Meta secreta 1
  100. Meta secreta 2
  101. Fazer outra lista ao final dessa.
O que acharam do projeto? Alguém aqui já participa? Se sim, deixa o link nos comentários! :)

Beijos,

19 agosto 2013

Feito porta giratória.



Entrei pela porta giratória do banco, xingando em pensamento por tudo de metal que eu tive que tirar da bolsa. Percebi que, propositalmente ou não, praticamente tudo de necessário é feito de metal e é inconveniente demais tirar cada um desses objetos e colocar naquele compartimento oval da porta. Celular, chave, guarda chuva, caneta, até a camisinha. Quão constrangedor isso pode ser? Pego AIDS ou entro tranquilamente no banco? Eis a questão.

Todas as filas estavam imensas e isso porque era a primeira semana do mês. Eu também não sei por que diabos eu decidir ir ao banco de manhã cedo (pessoas de idade adoram acordar cedo e esperar o banco abrir) e porque diabos eu não poderia ir a um caixa do banco 24 horas em algum posto de gasolina falido. Agora deixa para lá, pensei.

Posicionada na fila que eu provavelmente iria passar alguns longos minutos, sendo bem otimista, fiz a lista mental de tudo que eu iria fazer quando chegasse a minha vez. Já estava aqui e enfrentarei uma fila quilométrica, que pelo menos eu resolva todos os meus problemas de ordem financeira. É o mínimo, eu acho. Até que, interrompendo os meus pensamentos, ouço uma voz rouca e baixa muito de perto perguntando ‘É essa a fila do caixa?’.

Eu virei, lógico. E tinha um homem com a barba mal feita, cabelos bem aparados e usando uma blusa da Tommy branca. Eu devo ter feito uma cara meio patética e ele deve ter percebido porque sorria de lado, provavelmente acabando de se arrepender de não ter perguntado a um daqueles funcionários com um colete escrito ‘Posso ajudar?’. Fiz que sim com a cabeça e voltei a encarar as costas da senhora da minha frente.

Mas sentia a vontade de virar de novo e reparar mais alguns detalhes daquele cara. Quase podia sentir a sua respiração em minha nuca (que fique claro que é puro exagero, mas mesmo só de imaginar isso me deixava excitada). E foi quando o seu cartão caiu rente a minha sapatilha dourada. Oportunidade, pensei. Abaixei, ele não. Peguei o objeto e nossas mãos se tocaram ao entregá-lo. E depois do seu agradecimento, o assunto fluiu.

Os minutos que antes seriam intermináveis passaram mais rápido do que eu gostaria. Fomos atendidos em caixas lado a lado e eu só monitorei o tempo em que ele demoraria para que saíssemos juntos. Na medida. Mais papo furado, até que aconteceu o convite. E na noite seguinte, com a mesma bolsa que eu usava quando encontrei com ele, cheguei a conclusão de que além de ter prevenido a AIDS, ainda tive uma das melhores noites da minha vida. Quase como em uma porta giratória, fiquei zonza de amor e tesão pelo Fernando.

16 agosto 2013

Bilhetes.

Que eu consiga fazer alguma diferença no seu dia com essas pequenas frases inspiradoras :)




12 agosto 2013

Uma hora o drama acaba.


Já passou das duas horas da manhã e eu continuo sentada na minha cama, apenas com o abajur aceso, uma xícara de chocolate quente e o meu velho caderno no colo. Continuo escrevendo sobre você, pensando em você, querendo você para mim. Um dia mamãe me disse ‘você é muito antiquada, menina’ e eu que antes batia o pé, hoje, bem baixinho, posso dizer que ela tem razão.

Suas palavras tem mais força do que pode imaginar, sabe disso? Você nem deve se lembrar que me disse uma vez que eu era a mulher mais bonita que já conheceu. Eu me lembro dessa e de todas as outras frases, eu me lembro de todos os detalhes, mas hoje nada faz sentido. E eu devia esquecer. Mas sou romântica. Sou estúpida. Sou boba. E tudo isso junto, nunca poderia dar em boa coisa.

E por isso, continuo escrevendo textos que ao amanhecer, jogarei no lixo. Afinal, quem iria querer lê-los? Nem eu, confesso. Primeiro porque não me fariam bem, segundo porque são ruins. Falta coerência e são muito clichês. Mas a verdade é que todos os textos que falam de amor são. Porque o amor é. Porque eu sou. Repetitivos e sem lógica.

Vou fazer outra xícara de chocolate, porque essa é outra coisa que faz parte do amor: engordar. E vou deixar as lágrimas escorrerem mais um pouco, para ver se equilibra o meu peso. E vou também dormir só mais três horas até a hora de acordar para ir para o trabalho. E nesse ciclo, uma hora o sono vai falar mais alto e isso aqui vai acabar. Esse show, esse drama toda madrugada. Se o amor não durou para sempre, o sofrimento também não vai durar.

09 agosto 2013

Vou permanecer quietinha.


Vou continuar e deixar tudo dessa mesma forma. Não vou mudar os móveis de lugar, muito menos pintar a parede com a minha cor preferida – já que é a sua que está lá. Não vou tirar o pay per view da TV, porque eu também gosto de assistir aos jogos de futebol. E também não vou comprar uma cama menor, apesar de achar que essa parece muito maior sem você aqui.

Não vou mudar meus costumes, não vou mudar o que eu sou, o meu canto, a minha vida. Ela era assim, sabe? Antes de você chegar. Você acrescentou detalhes seus, você me ajudou a me descobrir, você me fez companhia. Mas nunca foi o centro do meu mundo. Tento me lembrar disso a todo segundo, para que eu tenha certeza de que logo tudo vai voltar a ser como sempre foi. Antes de você.

E por mais que de vez em quando eu tenha algumas recaídas bobas, tenha vontade de pintar a tal parede de preto - só para fazer drama - e de sair desse país, vou permanecer quietinha. Chorar só a noite antes de dormir, estrangular só o ursinho que você uma vez me deu. Sou boa menina, você sempre me dizia. Cismava em dizer para o mundo inteiro que eu era muito cabeça no lugar, muito sã. Não vou te decepcionar, prometo. 

06 agosto 2013

Tenho mais do que pensava.


Estou desempregada e acho que dessa forma as coisas se tornam mais difíceis. No quesito autossatisfação porque não posso fazer compras, no quesito amor porque realmente me sinto um lixo sem poder ir ao salão e no quesito pessoa mesmo e a explicação desse é óbvia.

Mas mesmo assim fui convidada a ir a uma festa interessante, em um hotel chique da cidade. A minha família tem dinheiro, que fique claro. O que não significa que eu tenha, porque desde o dia em que a minha rebeldia falou mais alto e decidi sair de casa, o que é deles é deles e o que é meu – se é que eu tenho alguma coisa – é meu. Separação total de bens.

Cheguei lá com vestido lindo de uma grande amiga minha. Virou minha amiga exatamente dessa forma, quando pedi pela primeira vez, uma roupa emprestada dela. Prova de amizade, na minha opinião. Confiança na pessoa. Enfim, cheguei abalando e de nariz empinado, ninguém precisava saber que eu estava na merda.

Sentei a mesa com a minha família, uns queridos, principalmente a minha irmã. Talvez a única que eu realmente sinta falta. Conversamos, relembramos o passado. Mas a noite estava passando lentamente, pois a música que tocava era realmente boa para os que tinham acima de setenta anos. E eu, graças a Deus, ainda não cheguei nem na metade do caminho.

Fui ao banheiro e no corredor esbarrei com um homem digno de me deixar com os queixos caídos, moreno, alto, olhos verdes. A barba estava feita exatamente do jeito que eu adorava e o seu terno em tom grafite me fazia sentir calor. Eu não sou de jogar fora, antes que me perguntem como eu conseguiria ficar com um homem desses. E também já estava um pouco bêbada, a essa altura.

Foi rápido, nos olhamos por alguns segundos e ele já veio em minha direção. Conversamos por exatos treze minutos e já me vi encostada na parede do banheiro masculino, sentindo as suas mãos por todo o meu corpo. Pegada boa, e sua barba roçando em meu pescoço... Resultado: me apaixonei.

Depois disso, enfim tivemos uma conversa mais decente. Perguntou de que família eu era. Falei a verdade. Aí perguntou o que fazia da vida. Menti. Perguntou onde eu morava. Menti também. Se interessou por saber qual era o meu carro. Menti de novo. Por fim, quando só faltava ele me perguntar qual era o saldo da minha conta bancária e eu pude perceber que ele não devia pertencer aquele mundo e que eu havia mentido em praticamente todas as perguntas, a minha sobriedade voltou.

Ele pediu o meu número e eu pensei: interesse da parte dele, pura mentira da minha. Sei pouco de relacionamentos, mas não sou tão idiota para saber que são dois itens que devem passar longe de uma relação. Dei meu número errado e fugi daquele lugar. Pelo menos os meus princípios eu não perdi, isso deve valer alguma coisa - bem mais do que a minha conta bancária.

02 agosto 2013

Bilhetes.

Mais um dia recheado de bilhetinhos que traduzem os nossos sentimentos :)