Pular para o conteúdo principal

Com você descobri a calma.


























A verdade é que eu tinha uma armadura que já estava virando minha segunda pele, uma proteção inconsciente e que fugia do meu próprio controle. Bloquear qualquer aproximação, fugir de todas as oportunidades, virou questão de sobrevivência. E isso funcionou durante um longo tempo. 

Até que você chegou e conseguiu destruí-la da maneira mais bonita e simples que existe. Sem forçar a barra, sem me assustar e, principalmente, sem ter que arrancar parte de mim para também arrancá-la. Foi na conversa, no cuidado, nas atitudes. Foi quando teve paciência. Quando não fugiu, mas entrelaçou a sua mão na minha. Quando aceitou o meu passado, enquanto me propunha um novo futuro.

Com o tempo e sem perceber, você tinha se tornado o meu esconderijo, o meu refúgio. Conseguia me esconder do mundo, quando pensava em você. Quando lembrava de você. Quando sentia você. Porque você me trouxe pensamentos e sentimentos leves. Era fácil me perder de todo o resto e me encontrar em nossos momentos.

E eu que sempre fui ansiosa, com você descobri a calma. A simplicidade e o valor de viver cada encontro, cada conversa e cada beijo. Você me mostrou que o amor é grandioso nas pequenas coisas e eterno em cada minuto. O futuro nada mais é que uma ilusão, uma miragem e uma provável decepção já que não temos absolutamente nenhum controle sobre ele - apenas uma singela influência.

E, por isso e independente disso, acredito na gente. Acredito no nosso sentimento, na nossa cumplicidade e na amizade que construímos. Acredito quando a gente sorri sem motivo. Acredito quando estamos deitados, sentindo a nossa respiração sincronizada. Acredito quando sou a primeira pessoa que você procura quando tem alguma novidade boa ou ruim. Acredito quando dividimos uma pizza no sábado a noite assistindo a um filme ruim e consideramos a noite perfeita. Acredito quando nossas mãos se encontram na escuridão do quarto. Simplesmente acredito e espero. Rezo e não me desespero

Comentários

  1. Lindo texto, amei ! ;)


    Beijoos e muito sucesso

    www.icoletanea.com

    ResponderExcluir
  2. Lendo esse texto, lembrei do meu garoto que foi chegando de mansinho e tomou conta do meu coração.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. O sentimento que você transmitiu é tão lindo! Por muito tempo eu achava que era a única a me sentir rodeada por muralhas que eu mesma construí, mas lendo textos a respeito e conhecendo melhor os autores, percebi que existem diversas pessoas se trancando dentro de si mesmas sem dar oportunidade de descobrir os melhores sentimentos. Ainda bem que algumas pessoas que surgem na nossa vida estão determinadas a ficar, e aos pouquinhos tiram cada tijolinho que nos impedia de ser feliz e quando menos percebemos... somos um pouco mais felizes, mais completas e mais livres de nós mesmas!
    Beijão <3
    Caroly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, Caroly!
      É inevitável, após algumas decepções, criarmos barreiras no nosso coração.
      Mas também e inevitável, AINDA BEM, que mais cedo ou mais tarde chegue alguém que consegue derrubá-la e nos salvar de nós mesmos.
      Obrigada pelo comentário :)

      Excluir
  4. Muito lindo, Carol! E muito verdadeiro também! =]
    E calma é realmente isso, gente que não força a barra, que sabe acompanhar o tempo necessário pra que a gente desfaça a armadura.
    Tomara que toda essa calma te ajude a vencer sua ansiedade!

    Beijo, com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adorei.
    Só de ter lido esse texto já senti a calma que esse "alguém" traz. Até porque me remete quem eu já conheço, e pude identificá-lo em cada linha.

    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente