Pular para o conteúdo principal

E esse texto não é sobre você, mas sobre mim.


Eu assumo: te esperei. Caramba, como eu te esperei! Idealizei nossas possíveis reencontros, suas falas e meu discurso. Imaginei um novo futuro para nós dois, perdi noites de sono sonhando acordada e sofrendo calada. Vivi ansiosa por uma ilusão que eu mesma tinha criado. Porque a verdade é que eu não queria desistir de você e dos nossos planos, mesmo que eles já estivessem totalmente fora de alcance.

Sabe o que é, eu sempre tive um apego um pouco ridículo pelos meus sentimentos e lembranças, por isso tudo sempre me parece maior do que realmente é. O meu passado, o meu presente e o meu futuro não são tão claros e organizadinhos como deveriam ser, essa é a verdade. Misturo tudo, sinto muito e em parcelas, me confundo toda na ordem cronológica da minha própria vida. E, por esse motivo, assumo que nunca tive total certeza de quais eram os meus sentimentos por você depois de tudo que tinha acontecido. Morria de medo de esbarrar contigo e parecer uma boba, perder a fala e ter que reviver tudo o que eu finalmente estava conseguindo deixar para trás, ao mesmo tempo em que tinha certeza de que havia superado. Dá para entender? Sei que não. Mas hoje eu estou finalmente começando a me policiar e ter um pouco mais de controle sobre eu mesma e o que eu sinto.

Porque o que acontece é que a gente muda, não é? A gente cresce, querendo ou não. O tempo foi passando e eu comecei a te enxergar com outros olhos, outra cabeça, outra pessoa. E a cada novo detalhe que eu ia desvendando, mais decepcionada comigo e com você eu ia ficando. Logo eu, que adorava distribuir conselhos. Logo eu, a razão em pessoa, fechei tanto os meus olhos para os seus erros. E foi foda para aceitar que eu tinha falhado, mas só mais tarde descobri que isso era necessário para o meu amadurecimento. Eu precisei enxergar verdadeiramente e vivenciar a decepção por completo para que a dor finalmente perdesse o seu espaço na minha vida. Como se eu fosse desintoxicando aos poucos, me sentindo pura, livre de todo um peso e mais minha a cada dia.

E eu sabia que era questão de tempo, por isso, após um ano sem ter notícias suas, acabamos nos encontrando. Felizmente as coisas tinham mudado, felizmente eu tinha sofrido pra caramba, mas aprendido ainda mais. Você estava com uma camisa que eu já conhecia e um tênis que eu te ajudei a escolher. Também sorria do mesmo modo despreocupado e cínico, mas estava acompanhado da sua nova namorada - muito bonita, por sinal. Nossos olhos se encontraram diversas vezes e o ambiente era muito familiar para nós dois. Mas a verdade é que eu não te reconheci - o meu coração nem sequer descompassou.

E foi naquele dia, que eu pude perceber que você não tem mais lugar no meu mundo. Você não cabe mais nos meus planos, objetivos e desejos. Por mais que eu tenha demorado a aceitar isso, nos perdemos e diferenciamos há muito tempo - quando ainda andávamos de mãos dadas. Fomos por caminhos opostos e eu agradeço por isso. Não fico contente pelo nosso fim, pois nenhum final é de fato feliz se ele acaba com alguém magoado, mas acabou tudo dando certo. Não sei para você, mas com certeza para mim. 

E esse texto, gostaria de deixar claro, não é sobre você, mas sobre mim. Não é sobre como você deixou de merecer o meu amor, mas como percebi que eu certamente merecia mais. Não é sobre o tempo que perdi te amando, mas a respeito de todo o amor que ganhei por mim mesma. Não é sobre como você mudou, mas como eu evoluí durante todo esse tempo. Entende? O foco sou eu. Mudei e não foi por causa de um novo amor, muito menos tem a ver com algum fantasma do passado. Foi tudo por mim - o maior e melhor motivo para que eu transformasse e recomeçasse a minha vida.

Comentários

  1. E esse texto não é sobre você, mas sobre mim, é totalmente sobre mim, parece que você entrou na minha cabeça, viveu tudo que eu vivi e escreveu, mudando o tempo passado, não demorou um ano, foi menos, mas hoje eu vejo tudo com outros olhos, e me sinto melhor. Amei o texto, assim como todos que escreve!

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente