Pular para o conteúdo principal

Talvez não tenha sido amor, sabe?


Talvez não tenha sido amor, sabe? E acho que não temos que culpar ninguém ou sofrer pelo que não aconteceu. Porque, afinal, como vivemos é que importa - e não o tempo. E poxa, foi lindo e mais que isso, foi sincero.

Talvez tenha sido encanto. Eu me lembro do quanto eu fiquei fascinada pelo seu gosto musical. Você conhecia aquela banda que ninguém sabia o nome e eu amava. Você também não saía de casa sem o fone de ouvido e eu nunca precisei mudar de música na playlist do seu carro, eu amava todas e acabei descobrindo muita coisa boa por sua causa.

Talvez tenha sido cuidado. Sempre acordava coberta e quentinha enquanto você estava encolhido no canto da cama, mas mesmo assim, não se importava de me dar todo o cobertor. Era eu quem te ligava, todos os dias, no mesmo horário, para te lembrar do seu remédio. Eu sempre te quis bem, acima de tudo e em todos os sentidos. Provavelmente me importava mais com você do que com qualquer ex-namorado que eu tenha sido loucamente apaixonada. 

Talvez tenha sido certezaEu sabia de todas as suas manias e já tínhamos um jeito certo de dividir a sua cama de solteiro de um modo que nós dois ficássemos confortáveis. Eu adorava a sensação de segurança de ter a sua mão entrelaçada a minha e você sabia que era só eu ouvir a sua voz para dizer se você estava bem ou não.

Talvez tenham sido muitas coisas boas e é por isso que eu não guardo nenhum sentimento ruim de você e da gente. Mas o que eu sinto, de verdade, é que, no final de tudo, talvez tenha se tornado um mero costume, uma questão de conforto - algo que era bom e ponto. Sem mais suspiros, sem mais surpresas, sem mais frio na barriga.

E a gente não está aqui para se acostumar com as pessoas, não é? Precisa ser bem maior que isso para valer a pena, para que dure. Por isso, perdoa, entende e aceita, só talvez não tenha sido amor. Chegou bem perto, foi ótimo enquanto ainda acrescentou em nossas vidas, mas a gente merece muito mais do que uma história de quase amor.

Comentários

  1. O importante é ter vivido algo especial.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://www.procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, Carol, "a gente merece mais que uma história de quase amor".
    Me lembrei de um texto que escrevi sobre isso. Parece que, com algumas pessoas, temos tanta sintonia que chega a ser 'comum'. É como se o fato de sermos muito parecidos não permita nos surpreendermos. Não é?
    Gostei muito do texto e que bom que você consegue olhar pro passado apenas como algo bom que ficou pra trás! =]

    Beijo, fique com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, Glenda!
      O jeito é seguir em frente né? Ir atrás de novas possibilidades, se libertar.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não tenha medo de amar.

Uma coisa que eu aprendi a não ter medo é de amar. Sabe, igual todas as meninas tem? Preferem crucificar os homens, postar textos do Caio Fernando Abreu no Facebook e fica oscilando entre fingir ter amor-próprio e gritar ao mundo o quanto está sofrendo por um babaca qualquer. Parece que é mais fácil reclamar do que mudar uma realidade. Do que arriscar novamente.

Azar do cara que te largou, que te trocou, que te fez sofrer. Bola para frente, ele não é o último homem da face terra e pensando pelo lado positivo, menos um idiota que encontrará pelo caminho. Sua chance de esbarrar com alguém bacana aumentou em alguns por centos, não vê?

Generalizar que todos os homens não valem nada, que a vida é injusta, que você nunca mais vai querer outro relacionamento, sinceramente, não vai adiantar de nada. Quando o amor chegar novamente, não vai ter como fugir e tendo essas besteiras como pensamento, só vai atrasar (ou até mesmo estragar) toda uma história que te estava reservada. Você vai ficar se …

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário.
É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu?
Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embarangar. Prefiro e…

Obrigada por me fazer acreditar de novo.

Eu nunca fui medrosa, embora tenha sentido muito medo nos últimos meses. Medo de ser feliz de novo. Medo de me machucar mais uma vez. Medo de me fechar para o mundo e acabar me tornando mais uma dessas pessoas que só reclamam da vida. E o que eu mais senti, foi medo de deixar de acreditar nas pessoas e no amor.
E isso me destruía dia após dia. Ao mesmo tempo em que me sentia aliviada por achar que estava me protegendo naturalmente de novas decepções, não conseguia enxergar essa “nova eu” como a melhor saída. Afinal, existe algo mais triste que isso? Existe algum sentido em viver sem acreditar – seja lá no que for? Posso apostar que não!
Mas você me apareceu. E não foi amor à primeira vista, nem à segunda e desconfio que nem à vigésima vez. Foi muito mais bonito e entorpecente. Foi amor quando eu parei de olhar para trás. Foi amor quando eu queria te ver em um dia em que tudo estava dando errado para mim. Foi amor quando eu sorria ao receber uma mensagem sua de bom dia. Foi amor aos pouc…