Pular para o conteúdo principal

Ponto. Final feliz.


Soube que você está feliz. Comentaram, como quem não quer nada, que você arranjou uma nova namorada e foi promovido no emprego em que estava há alguns anos. 

Assim que terminamos, eu te excluí do Facebook com a certeza de que seria o melhor para mim. Você não gostou da ideia, mas eu precisava ser egoísta, precisava pensar em mim pela primeira vez em toda a nossa história. E me ajudou muito não saber mais o que você andava fazendo e assim não nutrir esperanças por causa da sensação de saber como estava a sua vida – como eu sempre soube. Era muito mais fácil para mim poder entrar nas minhas redes sociais e não correr o risco de ser surpreendida por nenhuma atualização deprimente sua.

O meu travesseiro sabe o quanto eu chorei. O colo da minha melhor amiga também. Mas você nunca soube, porque eu nunca fiz questão de mostrar isso. Nunca te mandei mensagem de madrugada, mesmo bêbada. Nunca te liguei implorando para que voltasse para mim. Nunca pedi para que amigos em comum te dessem recados infantis. 

A verdade é que eu falei para você seguir a sua vida de uma vez e eu disse que faria o mesmo. E fiz. Todos os dias fui trabalhar e fui para a faculdade. Todos os dias sorria amarelo para que ninguém percebesse a minha tristeza. Todos os dias respirava fundo ao sair pela porta de casa e soltava o ar assim que chegava em meu quarto. E assim foi.

Foi passando, foi acontecendo, fui me/te superando dia após dia. E caramba, acho que eu soube dessas novidades na hora certa. Se quer saber, eu ainda sou estagiária e continuo solteira, mas eu tô em paz, sabe? Uma paz diferente de tudo que eu já senti antes. Pela primeira vez em anos, estou sozinha, mas não estou me sentindo solitária. Sinceramente, me sinto mais completa do que nunca.

Parei de me desesperar e passei a desfrutar mais da minha própria companhia. Eu não te culpo, muito menos é a minha intenção te menosprezar, mas perdi muito mais enquanto ainda te tinha do que quando deixei você ir. A vida tem dessas coisas, né? A gente cisma que certa coisa é o que a gente sempre sonhou e insiste, insiste, insiste até se cansar, e de repente, numa reviravolta qualquer, descobrimos algo novo que faz o nosso coração realmente encontrar o ritmo certo. 

E o meu finalmente encontrou. Não foi o carinha que eu saí semana passada, também não foi o fato de eu ter terminado mais um período da faculdade com notas boas. Foi a calma que eu adquiri, foi a leveza que eu ganhei, foi a forma como passei a enxergar a mim mesma em relação aos outros. Agora eu não me canso, não me peso, não me pressiono. E eu precisava disso, deixar de lado as mágoas e me reinventar, me reconstruir.

Se depender de mim, você nunca lerá essas palavras. Assim como fiz questão de você não saber do meu sofrimento, não preciso que você saiba do lado bom também. Mas eu precisava colocar meus sentimentos para fora. Como se fosse, finalmente, o ponto final da nossa história - você aí e eu aqui. Ponto. Final feliz.

(E eu já até consigo pensar na ideia de te ter novamente nas minhas redes sociais, e você? Aceitaria a minha solicitação de amizade? Bandeira branca.)

Comentários

  1. "A gente cisma que certa coisa é o que a gente sempre sonhou e insiste, insiste, insiste até se cansar, e de repente, numa reviravolta qualquer, descobrimos algo novo que faz o nosso coração realmente encontrar o ritmo certo." É realmente uma pena a gente às vezes levar tanto tempo pra perceber o que é certo de verdade pra nós. Mas a boa notícia que é a gente percebe.
    Ótimo texto, como sempre Carol! :)

    beijos,
    http://almostthemoon.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Carol, me desculpe, mas estou um pouco perdida quanto ao que está acontecendo na sua vida!
    Acredito que esse texto é real e, se realmente for, acho que você finalmente sacou o que eu sempre quis que você soubesse!
    Não é verdade? Você sempre me insistiu pra que eu me permitisse amar, e eu sempre insisti que você aprendesse a ser feliz sozinha! Bom, parece que você já conseguiu, né?
    Nada como enxergar a vida sem pressão, sem apreensão, sem medo. Não depender de ninguém pra ser feliz. Nada melhor que isso! ♥

    Beijo, fique com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra começar, esse texto não é completamente real, Glenda! rs
      Não sei dizer o quanto ele tem de realidade e o quanto ele tem de ficção, mas não é só um nem outro.
      Mas eu gostei do seu comentário, de verdade. É engraçado como a gente realmente passou duas visões completamente opostas uma para a outra né?
      Mas isso é conversa loooooooonga demais para se ter por aqui, mas que eu adoraria ter com você! :)

      Excluir
    2. Eu podia jurar que era real! Você se coloca muito nas linhas dos seus textos!
      Nossas visões são bem opostas, mas temos aprendido bastante uma com a outra durante esse tempo, não é?
      Eu também gostaria de conversar mais com você Carol, e descobrir o que é que tem de tãão mágico nesse "mundo do amor" que você descreve! =]

      Excluir
    3. Hahaha, acho que isso é bom né?
      Em todos os meus textos tem a minha visão de verdade, não consigo escrever sobre algo no qual eu não acredito, mas nem sempre as histórias são reais, entende? As vezes só uma parte, as vezes nada!
      Acho que só vivendo pra descobrir, por isso é importante os dois lados. Um equilíbrio. Não ter medo de ficar sozinha nem de arriscar uma nova história.

      Excluir
  3. Caramba.
    Fazia tempo que eu não me encontrava assim num texto.
    Adorei o sentimento verdadeiro que ele passa.

    Abraços,
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava