Pular para o conteúdo principal

Ponto. Final feliz.


Soube que você está feliz. Comentaram, como quem não quer nada, que você arranjou uma nova namorada e foi promovido no emprego em que estava há alguns anos. 

Assim que terminamos, eu te excluí do Facebook com a certeza de que seria o melhor para mim. Você não gostou da ideia, mas eu precisava ser egoísta, precisava pensar em mim pela primeira vez em toda a nossa história. E me ajudou muito não saber mais o que você andava fazendo e assim não nutrir esperanças por causa da sensação de saber como estava a sua vida – como eu sempre soube. Era muito mais fácil para mim poder entrar nas minhas redes sociais e não correr o risco de ser surpreendida por nenhuma atualização deprimente sua.

O meu travesseiro sabe o quanto eu chorei. O colo da minha melhor amiga também. Mas você nunca soube, porque eu nunca fiz questão de mostrar isso. Nunca te mandei mensagem de madrugada, mesmo bêbada. Nunca te liguei implorando para que voltasse para mim. Nunca pedi para que amigos em comum te dessem recados infantis. 

A verdade é que eu falei para você seguir a sua vida de uma vez e eu disse que faria o mesmo. E fiz. Todos os dias fui trabalhar e fui para a faculdade. Todos os dias sorria amarelo para que ninguém percebesse a minha tristeza. Todos os dias respirava fundo ao sair pela porta de casa e soltava o ar assim que chegava em meu quarto. E assim foi.

Foi passando, foi acontecendo, fui me/te superando dia após dia. E caramba, acho que eu soube dessas novidades na hora certa. Se quer saber, eu ainda sou estagiária e continuo solteira, mas eu tô em paz, sabe? Uma paz diferente de tudo que eu já senti antes. Pela primeira vez em anos, estou sozinha, mas não estou me sentindo solitária. Sinceramente, me sinto mais completa do que nunca.

Parei de me desesperar e passei a desfrutar mais da minha própria companhia. Eu não te culpo, muito menos é a minha intenção te menosprezar, mas perdi muito mais enquanto ainda te tinha do que quando deixei você ir. A vida tem dessas coisas, né? A gente cisma que certa coisa é o que a gente sempre sonhou e insiste, insiste, insiste até se cansar, e de repente, numa reviravolta qualquer, descobrimos algo novo que faz o nosso coração realmente encontrar o ritmo certo. 

E o meu finalmente encontrou. Não foi o carinha que eu saí semana passada, também não foi o fato de eu ter terminado mais um período da faculdade com notas boas. Foi a calma que eu adquiri, foi a leveza que eu ganhei, foi a forma como passei a enxergar a mim mesma em relação aos outros. Agora eu não me canso, não me peso, não me pressiono. E eu precisava disso, deixar de lado as mágoas e me reinventar, me reconstruir.

Se depender de mim, você nunca lerá essas palavras. Assim como fiz questão de você não saber do meu sofrimento, não preciso que você saiba do lado bom também. Mas eu precisava colocar meus sentimentos para fora. Como se fosse, finalmente, o ponto final da nossa história - você aí e eu aqui. Ponto. Final feliz.

(E eu já até consigo pensar na ideia de te ter novamente nas minhas redes sociais, e você? Aceitaria a minha solicitação de amizade? Bandeira branca.)

Comentários

  1. "A gente cisma que certa coisa é o que a gente sempre sonhou e insiste, insiste, insiste até se cansar, e de repente, numa reviravolta qualquer, descobrimos algo novo que faz o nosso coração realmente encontrar o ritmo certo." É realmente uma pena a gente às vezes levar tanto tempo pra perceber o que é certo de verdade pra nós. Mas a boa notícia que é a gente percebe.
    Ótimo texto, como sempre Carol! :)

    beijos,
    http://almostthemoon.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Carol, me desculpe, mas estou um pouco perdida quanto ao que está acontecendo na sua vida!
    Acredito que esse texto é real e, se realmente for, acho que você finalmente sacou o que eu sempre quis que você soubesse!
    Não é verdade? Você sempre me insistiu pra que eu me permitisse amar, e eu sempre insisti que você aprendesse a ser feliz sozinha! Bom, parece que você já conseguiu, né?
    Nada como enxergar a vida sem pressão, sem apreensão, sem medo. Não depender de ninguém pra ser feliz. Nada melhor que isso! ♥

    Beijo, fique com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra começar, esse texto não é completamente real, Glenda! rs
      Não sei dizer o quanto ele tem de realidade e o quanto ele tem de ficção, mas não é só um nem outro.
      Mas eu gostei do seu comentário, de verdade. É engraçado como a gente realmente passou duas visões completamente opostas uma para a outra né?
      Mas isso é conversa loooooooonga demais para se ter por aqui, mas que eu adoraria ter com você! :)

      Excluir
    2. Eu podia jurar que era real! Você se coloca muito nas linhas dos seus textos!
      Nossas visões são bem opostas, mas temos aprendido bastante uma com a outra durante esse tempo, não é?
      Eu também gostaria de conversar mais com você Carol, e descobrir o que é que tem de tãão mágico nesse "mundo do amor" que você descreve! =]

      Excluir
    3. Hahaha, acho que isso é bom né?
      Em todos os meus textos tem a minha visão de verdade, não consigo escrever sobre algo no qual eu não acredito, mas nem sempre as histórias são reais, entende? As vezes só uma parte, as vezes nada!
      Acho que só vivendo pra descobrir, por isso é importante os dois lados. Um equilíbrio. Não ter medo de ficar sozinha nem de arriscar uma nova história.

      Excluir
  3. Caramba.
    Fazia tempo que eu não me encontrava assim num texto.
    Adorei o sentimento verdadeiro que ele passa.

    Abraços,
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não tenha medo de amar.

Uma coisa que eu aprendi a não ter medo é de amar. Sabe, igual todas as meninas tem? Preferem crucificar os homens, postar textos do Caio Fernando Abreu no Facebook e fica oscilando entre fingir ter amor-próprio e gritar ao mundo o quanto está sofrendo por um babaca qualquer. Parece que é mais fácil reclamar do que mudar uma realidade. Do que arriscar novamente.

Azar do cara que te largou, que te trocou, que te fez sofrer. Bola para frente, ele não é o último homem da face terra e pensando pelo lado positivo, menos um idiota que encontrará pelo caminho. Sua chance de esbarrar com alguém bacana aumentou em alguns por centos, não vê?

Generalizar que todos os homens não valem nada, que a vida é injusta, que você nunca mais vai querer outro relacionamento, sinceramente, não vai adiantar de nada. Quando o amor chegar novamente, não vai ter como fugir e tendo essas besteiras como pensamento, só vai atrasar (ou até mesmo estragar) toda uma história que te estava reservada. Você vai ficar se …

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário.
É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu?
Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embarangar. Prefiro e…

Obrigada por me fazer acreditar de novo.

Eu nunca fui medrosa, embora tenha sentido muito medo nos últimos meses. Medo de ser feliz de novo. Medo de me machucar mais uma vez. Medo de me fechar para o mundo e acabar me tornando mais uma dessas pessoas que só reclamam da vida. E o que eu mais senti, foi medo de deixar de acreditar nas pessoas e no amor.
E isso me destruía dia após dia. Ao mesmo tempo em que me sentia aliviada por achar que estava me protegendo naturalmente de novas decepções, não conseguia enxergar essa “nova eu” como a melhor saída. Afinal, existe algo mais triste que isso? Existe algum sentido em viver sem acreditar – seja lá no que for? Posso apostar que não!
Mas você me apareceu. E não foi amor à primeira vista, nem à segunda e desconfio que nem à vigésima vez. Foi muito mais bonito e entorpecente. Foi amor quando eu parei de olhar para trás. Foi amor quando eu queria te ver em um dia em que tudo estava dando errado para mim. Foi amor quando eu sorria ao receber uma mensagem sua de bom dia. Foi amor aos pouc…