Pular para o conteúdo principal

A nós!

*Sei que ando sumida daqui e dos blogs que tanto adoro visitar, mas é a faculdade que não me deixa viver. Não vou nunca abandonar isso aqui, mas peço paciência, pois todos os comentários serão lidos e retribuídos! Obrigada :)


Que tal uma taça de vinho? – Ele me ofereceu tentando quebrar o silêncio que pairava sobre nós.

Primeira vez que eu ia a sua casa, depois de quatro meses que estavamos saindo. Eu não sabia como agir e ele parecia nem conhecer o próprio apartamento. Estávamos os dois nervosos, envergonhados e ansiosos. Isso diz muita coisa, não é? Chamar para conhecer o seu canto. Não como esses garotos que levam qualquer uma para cama, mas quando há conquista, há mistério e as coisas acontecendo cada uma a sua hora.

Quando voltou da cozinha americana onde eu pude observá-lo durante todo o tempo, ele sorriu e me serviu. A nós, disse.

Beto era o tipo de homem que eu nunca notaria, mas acho que isso faz parte do amor, obviedade passa longe. Ele era amigo de um amigo meu e na primeira vez que o vi, não achei graça nenhuma. Para ter uma ideia, saí com um outro cara que conheci na mesma boate. Hoje acho graça, nossa história poderia ter acontecido há tanto tempo... Ou será que agora era a hora certa?

Depois de meses, nos reencontramos por acaso no aniversário desse meu amigo e foi aí que tudo aconteceu. Passamos a noite inteira conversando como se fôssemos amigos desde criança! E não que eu tenha me apaixonado naquele dia, nem que tenhamos saído de lá para um lugar mais reservado, nem se quer ele me elogiou, mas acho que é isso que dizem ser amor à primeira vista. Pura identificação, não sentir o tempo passar ao lado de alguém que você nem conhece.

Somente na semana seguinte, nos esbarramos numa café que tem perto do meu apartamento. Mais tarde descobri que foi tudo planejado, pois o meu amigo comentou com o Beto que eu costumava ir ao café todas as quintas feiras para ouvir a um show de MPB. Ele foi um perfeito ator me fazendo acreditar que estava surpreso em me encontrar e até mesmo, no início, fingiu estar confuso sobre me conhecer ou não.

Assistimos ao show juntos e foi ao som de "Eu quero te roubar pra mim..." que demos o nosso primeiro beijo. Não ouvi sinos, não senti os meus pés flutuarem, tenho 23 anos e acho que já estou bem grandinha para acreditar em contos de fadas. Mas pude sentir o meu coração sorrir. Assim, tranquilo e contido.

Hoje eu sei que a memória do meu smartphone é realmente gigante, porque passamos o dia todo trocando mensagens e, por mais bobo que pareça, não tenho coragem de apagar nenhuma delas. Hoje ele me busca no trabalho duas vezes por semana e ainda vamos àquele café às quintas. Hoje começamos a fazer alguns planos mais longos do que apenas ‘o que faremos no final de semana?’. Hoje eu escolhi estar aqui, pois sei que nenhum outro lugar faria eu me sentir melhor.

A nós, eu disse. Brindamos e em seguida, ao invés de tomarmos um gole do vinho, melhor foi selarmos o nosso encontro, com um beijo. E o início de uma noite clichê e totalmente única para nós dois.

Comentários

  1. nossa ;o ficou mt lindo, me senti na história!
    beijos,
    http://pedacosdelembrancas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Você não cansa de ser perfeita e escrever tão bem Carol?
    Lindo, sem palavras.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  3. Da onde tira tanto talento? *O*

    http://senhoritapriscila.blogspot.com
    Curti a fan page? (www)
    @priscilafrr,
    beijo.

    ResponderExcluir
  4. Sei bem como é essa vida de faculdade rs
    Lindo texto, como sempre! Entendo perfeitamente porque também estou passando por isso haha Esses dias meu namorado perguntou: porque a gente não tinha se notado antes? Nos conhecemos faz anos!! Mas é como você disse, acho que só agora era a hora certa :)

    Sabiam que hoje é o dia mundial da música?
    http://almostthemoon.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é??? É muito perfeito o modo como a vida junta as pessoas na hora certa!

      Excluir
  5. A faculdade acaba com nosso tempo, né? HAHA

    mas enfim... descobri seu blog por acaso e ADOREI o texto. Histórias assim me fazem viajar *-*

    beijos

    ResponderExcluir
  6. AFFF, que lindo! Sério, li sorrindo. Imaginei a música do primeiro beijo! E, mais, concordo totalmente com a sua versão sobre o amor a primeira vista. Acho que ele é exatamente isso. Tanta identificação assim não é fácil. É tão raro!
    Você manda muito bem!

    Um beijo

    www.kvcomvoce.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh adoro seus comentários aqui, me parecem tão sinceros! E que bom que concorda. É algo muito mais simples (e igualmente difícil de acontecer), mas não tão fantasiosa quanto os filmes de comédia romântica né? rs Obrigada pelo elogio ♥

      Excluir
  7. Ai que linda essa história, sem clichês mas a realidade! Amei esse texto!
    vestindo-ideias.blogspot,com.br

    ResponderExcluir
  8. Não sei mais o que comentar nos seus textos, você me surpreende a cada novo texto que você posta! Parabéns!

    osdetalhesdeumavida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Adorei o texto, hein! Achei a história totalmente original e até pensei que fosse verdade. A forma como você escreve é super única, amei! Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
  10. MEDELS! Que texto mais que perfeito!
    Nossa, nega, um conta excelente e muito criativo!
    Parabens!!!! AMEI!
    Beijinhos, querida
    Jennifer
    http://queridamaiscafe.com/

    ResponderExcluir
  11. Ah! Amei véy, você tem talento!

    http://historiaimperfeita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente