Pular para o conteúdo principal

Deus, como eu queria amá-lo!

*Já viram a promoção que está rolando no blog? Estou sorteando um livro de contos em que eu participo! Ele vai autografado por mim e vários outros autores :) Participe aqui.


Deus, como eu queria amá-lo! Amor de cinema, de comédia romântica, de novela feito Malhação. Eu queria amá-lo como todas as adolescentes dizem que amam. Eu queria amá-lo como o meu avô diz amar a minha avó. Eu queria amá-lo de coração, de corpo e alma.

Porque ele sorria todas as vezes que eu falava alguma besteira na frente de sua família. E mesmo quando eu fingia ser quem eu não era, ele apertava as minhas mãos me encorajando a relaxar. Ele tinha orgulho de mim, como isso é possível? Nem meus pais tinham tanto orgulho em me apresentar como filha enquanto ele, ao falar que eu era sua namorada, seus olhos brilhavam.

Ele nunca teve vergonha de mostrar os seus sentimentos, para mim e para o mundo. Sabia todas as músicas da minha cantora preferida, assistia comigo todos os filmes bestas que mulheres adoram. Passava horas no shopping me acompanhando nas compras e ainda fazia massagem no meu pé quando chegávamos em casa.

Também nunca me contrariou e isso é, reconheço, a sua melhor qualidade. Ele sabia me contrariar, sem me deixar notar isso. Ele me acalmava quando eu estava revoltando com o mundo e me fazia rir para que eu percebesse que estava exagerando (novamente) em mais algum ataque de estresse.

Ele era tão meu. Tão fácil de lidar. Tão fofo e engraçado. E todos diziam que éramos feitos um para o outro... Mas para mim perdeu a graça cedo demais, muito mais cedo do que eu queria, muito mais cedo do que todos aqueles relacionamentos de famosos!

E eu o vi chorar pela primeira vez quando disse que precisava terminar e também o vi ser lindo pela última vez ao me pedir um último abraço. Eu sabia que tinha feito a coisa certa, deixando-o livre para alguma pessoa que o mereça de verdade. Mas eu queria ser a merecedora. Deus, como eu queria amá-lo! 

Comentários

  1. Meus deuses! Que fofo esse. É muito triste um amor iludido, platônico. Mas não fica ruim sempre, uma hora tem que mudar.

    Beijos,
    angelaguidi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu acho tão complicada essas situações :(
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. OMG, que texto maravilhoso. Amei de mais, escreve muito bem !!!
    http://devaneiosde-umasonhadora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que bonitinho, eu acho que no final das contas ela o ama mesmo. hahaha
    beijoooos
    http://oicarolina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que sim, no final das contas ela acaba gostando dele, talvez até a amar. Uma coisa de colocar na cabeça que não é, porque o coração não bate mais forte. Mas reconhecer tanto ( como ela fez), mas parece alguém que começou a se apaixonar, mas ainda n sabe disso.

      Excluir
  5. Que lindo! e triste... mas do tipo que nos envolve com as palavras!

    grande abraço!

    http://princessandfashion.wordpress.com

    ResponderExcluir
  6. ouun, esse texto cativa! Cada palavra lembra uma coisa, um momento...
    Lindo, parabéns!

    estou seguindo aqui ta.
    eeei linda, aproveita e dá uma passadinha no meu blog, você vai gostar ^^
    www.pequenamenina31.blogspot.com.br
    beeeeijos | Patricia Porto

    ResponderExcluir
  7. Que lindo texto. Infelizmente não mandamos no nosso coração. Ótimo Final de Semana, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Texto lindo. Você e muito talentosa, parabéns.
    http://joanaquenaorimacombanana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Me fez lembrar d um antigo relacionamento... Ótimo texto :)

    isabelefarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Aihn MEDELS que texto mais fofo!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    ADOREI!!!!!!!!
    AIhn nega, porque ela nao ama ele poxa! Que homem perfeitinhooo! hahahhahahaha
    Queria um assim na minha vida! haahhahaha
    Beijinhos, nega
    Jennifer
    http://queridamaiscafe.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha a gente nem sempre ama quem deveríamos amar né? Peças que a vida nos prega para dificultar tudo!!!

      Excluir
  11. Muito bacana esse texto Maria, me lembrou um trecho de uma música que diz: "Faço mal te fazendo bem, te liberto pra que alguém, possa te amar, como eu nunca te amei."

    Adorável Tédio | Fã Page | Sorteio

    ResponderExcluir
  12. Lindo texto, como sempre!

    http://almostthemoon.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Acho que amar é saber quando é melhor deixar ir.
    Seu texto retrata isso tão bem, mesmo que aparentemente não pareça!

    Um beijo,

    http://algumasobservacoes.blogspot.com.br/
    http://escritoshumanos.blogspot.com.br/
    http://nossocdl.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Nossa, que texto lindo! Acho tão fofo textos românticos, apesar de ser uma situação bem complicada!

    Beijos

    http://destinoincertoo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Que lindo e triste, uma pena quando não sabemos amar como somos amadas.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente