Pular para o conteúdo principal

Quando a mudança interna acontece...


Oi, quanto tempo! Claro, pode entrar. Não repara a bagunça, mas estou mudando algumas coisas por aqui. Alguns móveis trocaram de lugar e outros deram lugar aos novos. Vai perceber que a parede do banheiro não está mais descascando e eu também pintei aquela parede ali do cantinho da sala de roxo. A cama do nosso antigo quarto não é mais de casal, percebi precisava de um canto sem vestígios seus. Daí comprei uma dessas que chamam de viúva, sabe? Grande para uma pessoa só, mas um pouco apertada para um casal. Bem, eu considero ela perfeita para mim.

Se eu pintei o cabelo? Fiz algumas luzes, jura deu para perceber? Tentei ser discreta e ainda não me acostumei. Também fiz um alisamento louco e moderno há algumas semanas, por isso ele também está mais domado que o normal. E eu emagreci, é verdade, mas estou voltando a ganhar peso rápido até demais, desde que abriu uma nova pizzaria aqui na minha rua.

Tudo bem, sem mais enrolação, vamos logo ao que interessa. Se eu pensei sobre você merecer uma nova chance? Sim, pensei. E você merece, todo mundo merece, não é o que dizem? Mas não mais comigo. Não mais depois das diversas que eu te dei. Quem sabe você não acerta com outra mulher? Desejo do fundo do meu coração que você tenha mesmo aprendido a lição como está me dizendo. E, por isso, talvez ela tenha mais sorte que eu. Talvez. 

Sabe o que é, não tenho nada contra quem volta uma, duas ou dez casas no tabuleiro da vida, afinal, quantas vezes eu mesma já não me permiti dar voltas e mais voltas no mesmo lugar? Só que esse tempo longe me fez perceber que sou eu quem faço a minha vida andar. Eu que tenho que virar a página, eu que tenho que começar a caminhar, caso contrário, nada vai acontecer. Nada vai melhorar.

A gente fica tentado a recuar, porque é tão mais fácil se render a reviver algo do que arriscar o novo né? As pernas tremem, o coração quer se fechar às novas oportunidades... Porque demora, como demora para a gente se acostumar! Mas tudo se ajeita, tudo se adequa. Basta ter paciência e, mais do que isso, basta ter amor-próprio. 

Foi exatamente por isso que eu mudei. Mudei a forma como encaro a vida, mudei a forma como me encaro em frente ao espelho e ganhei coragem para continuar a mudar tudo que ainda é preciso. E quando a mudança interna acontece, tudo a sua volta também deve acompanhar essa mudança, senão acaba perdendo espaço para algo melhor e mais compatível com a nova realidade. E isso, inevitavelmente, inclui mudança no elenco também.

Comentários

  1. Não que eu já não ame seus textos, Carol, mas, esse foi um tapão na cara. Acabei de sair de um relacionamento de sete anos, e acho que você o escreveu pra mim (é uma bobagem, mas quando a gente escreve a gente nem se liga que outras pessoas além da gente podem se identificar com aquilo, quando, na verdade, era isso que a gente devia estar esperando, né?).
    Arrasou muito! Beijão!
    Carol,
    www.caixa-a-a.com

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Carol acima - "esse texto foi um tapão na cara"!
    Amei demais, muito verdadeiro! Deu pra sentir um tom de orgulho em cada palavra - orgulho no sentido de superação, de volta por cima!
    E mudanças são sempre bem-vindas, né? Renovam a gente. Sempre que converso com alguém que terminou um longo relacionamento a queixa é a mesma - um não conseguiu acompanhar a mudança do outro. O problema é que essas mudanças só são enxergadas com bons olhos depois que é tarde demais.

    Um beijo, fique com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Glenda!
      Nesse caso, a mudança foi super necessária né?

      Excluir
  3. Texto maravilhoso, adoro a forma que trabalha a palavras. É exatamente isso que preciso, amor próprio, não tinha momento melhor pra me ler esse texto, estou precisando gostar mais de mim, fazer um esforço maior pra me viver bem, dar um basta em tudo que está errado e virar a página, deixar ele pra lá, deixar as histórias dele pra lá, para outra.
    Tenho que te agradecer, obrigada por tantos textos maravilhosos, incrível como sempre acabo me identificando, e você sempre me ajudando!

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que comentário mais lindo! *-*
      Eu que tenho que agradecer por gostar dos meus textos e não sabe o quanto é bom saber que te ajudo com eles!! =)

      Excluir
  4. O bom da vida são as mudanças.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente