Pular para o conteúdo principal

O que você precisa, você já tem.


Era sexta-feira, quatro horas da tarde e faltava algumas horas para a minha aula começar. Decidi me sentar em um café num shopping perto da minha faculdade.

Sempre ando com um livro na bolsa para qualquer minutinho vago que eu tenha na minha rotina instável e era um que me fazia companhia naquele dia. Eu não preciso de muita coisa na minha vida, sabe? Uma boa música tocando no meu fone de ouvido; um bom livro de romance policial e um lugar calmo para fazer uma dessas duas coisas – ou as duas ao mesmo tempo.

Eu não estava completamente satisfeita naquele dia, pois o terceiro item da minha lista não pôde ser realizado com o sucesso, mas em compensação, eu tinha um excelente capuccino na minha mesa para suprir essa falta.

Foi quando uma voz interrompeu a minha investigação ao lado de Hercule Poirot. A senhorita está esperando alguém?, o senhor me perguntou em um tom desconfiado. Aparentava ter uns sessenta anos, talvez um pouco mais. Vestia uma calça jeans bem surrada e uma blusa polo branca igualmente gasta. Lembrou-me de meu pai. Nesse instante, eu morri de medo disso ser uma cantada, porque hoje em dia, nós, mulheres, vivemos apreensivas. Respondi que não e ele, sem falar mais nada, sentou-se na cadeira a minha frente, dividindo a mesa comigo.

Sério isso?, pensei. Para não estragar o meu dia e querendo fugir dessa situação, voltei os olhos para as páginas no meu colo e tudo voltou a ficar em ordem. Eu realmente não faço a menor ideia de quanto tempo havia passado quando decidi averiguar o mundo a minha volta, só sei que bastante – o suficiente para a atendente ficar me encarando, pois eu só tinha consumido uma bebida e estava ocupando lugar. Mas o senhor continuou sentado na minha frente e nesse momento estava me fitando.

Você não estava mesmo esperando ninguém, ele me disse quase contente. E eu achei graça por ele ter duvidado de mim, qual era o problema disso? É que hoje em dia, ele completou como se respondesse a minha pergunta feita em silêncio, é muito difícil encontrar jovens que se contentem consigo mesmo. Estão sempre acompanhados, parecem ter medo de usufruir da sua própria companhia. E eu realmente fiquei surpreso por te ver assim, tão imersa nesse livro e tão longe do mundo a sua volta. Satisfeita solitariamente nesse lugar repleto de casais e grupos animados. Continue assim, sem medo e sem vergonha de ficar sozinha. O que você precisa, você já tem.

E não, não vou fazer nenhuma reflexão para fechar o texto de forma bonita e impactante. Esse moço, que eu nunca saberei o nome e não vou ver novamente, já disse tudo pra mim e por mim. 

Alguns minutos após ele ir embora, eu me dirigi à livraria do shopping para garantir que seguirei o seu conselho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não tenha medo de amar.

Uma coisa que eu aprendi a não ter medo é de amar. Sabe, igual todas as meninas tem? Preferem crucificar os homens, postar textos do Caio Fernando Abreu no Facebook e fica oscilando entre fingir ter amor-próprio e gritar ao mundo o quanto está sofrendo por um babaca qualquer. Parece que é mais fácil reclamar do que mudar uma realidade. Do que arriscar novamente.

Azar do cara que te largou, que te trocou, que te fez sofrer. Bola para frente, ele não é o último homem da face terra e pensando pelo lado positivo, menos um idiota que encontrará pelo caminho. Sua chance de esbarrar com alguém bacana aumentou em alguns por centos, não vê?

Generalizar que todos os homens não valem nada, que a vida é injusta, que você nunca mais vai querer outro relacionamento, sinceramente, não vai adiantar de nada. Quando o amor chegar novamente, não vai ter como fugir e tendo essas besteiras como pensamento, só vai atrasar (ou até mesmo estragar) toda uma história que te estava reservada. Você vai ficar se …

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário.
É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu?
Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embarangar. Prefiro e…

Obrigada por me fazer acreditar de novo.

Eu nunca fui medrosa, embora tenha sentido muito medo nos últimos meses. Medo de ser feliz de novo. Medo de me machucar mais uma vez. Medo de me fechar para o mundo e acabar me tornando mais uma dessas pessoas que só reclamam da vida. E o que eu mais senti, foi medo de deixar de acreditar nas pessoas e no amor.
E isso me destruía dia após dia. Ao mesmo tempo em que me sentia aliviada por achar que estava me protegendo naturalmente de novas decepções, não conseguia enxergar essa “nova eu” como a melhor saída. Afinal, existe algo mais triste que isso? Existe algum sentido em viver sem acreditar – seja lá no que for? Posso apostar que não!
Mas você me apareceu. E não foi amor à primeira vista, nem à segunda e desconfio que nem à vigésima vez. Foi muito mais bonito e entorpecente. Foi amor quando eu parei de olhar para trás. Foi amor quando eu queria te ver em um dia em que tudo estava dando errado para mim. Foi amor quando eu sorria ao receber uma mensagem sua de bom dia. Foi amor aos pouc…