Pular para o conteúdo principal

O que você precisa, você já tem.


Era sexta-feira, quatro horas da tarde e faltava algumas horas para a minha aula começar. Decidi me sentar em um café num shopping perto da minha faculdade.

Sempre ando com um livro na bolsa para qualquer minutinho vago que eu tenha na minha rotina instável e era um que me fazia companhia naquele dia. Eu não preciso de muita coisa na minha vida, sabe? Uma boa música tocando no meu fone de ouvido; um bom livro de romance policial e um lugar calmo para fazer uma dessas duas coisas – ou as duas ao mesmo tempo.

Eu não estava completamente satisfeita naquele dia, pois o terceiro item da minha lista não pôde ser realizado com o sucesso, mas em compensação, eu tinha um excelente capuccino na minha mesa para suprir essa falta.

Foi quando uma voz interrompeu a minha investigação ao lado de Hercule Poirot. A senhorita está esperando alguém?, o senhor me perguntou em um tom desconfiado. Aparentava ter uns sessenta anos, talvez um pouco mais. Vestia uma calça jeans bem surrada e uma blusa polo branca igualmente gasta. Lembrou-me de meu pai. Nesse instante, eu morri de medo disso ser uma cantada, porque hoje em dia, nós, mulheres, vivemos apreensivas. Respondi que não e ele, sem falar mais nada, sentou-se na cadeira a minha frente, dividindo a mesa comigo.

Sério isso?, pensei. Para não estragar o meu dia e querendo fugir dessa situação, voltei os olhos para as páginas no meu colo e tudo voltou a ficar em ordem. Eu realmente não faço a menor ideia de quanto tempo havia passado quando decidi averiguar o mundo a minha volta, só sei que bastante – o suficiente para a atendente ficar me encarando, pois eu só tinha consumido uma bebida e estava ocupando lugar. Mas o senhor continuou sentado na minha frente e nesse momento estava me fitando.

Você não estava mesmo esperando ninguém, ele me disse quase contente. E eu achei graça por ele ter duvidado de mim, qual era o problema disso? É que hoje em dia, ele completou como se respondesse a minha pergunta feita em silêncio, é muito difícil encontrar jovens que se contentem consigo mesmo. Estão sempre acompanhados, parecem ter medo de usufruir da sua própria companhia. E eu realmente fiquei surpreso por te ver assim, tão imersa nesse livro e tão longe do mundo a sua volta. Satisfeita solitariamente nesse lugar repleto de casais e grupos animados. Continue assim, sem medo e sem vergonha de ficar sozinha. O que você precisa, você já tem.

E não, não vou fazer nenhuma reflexão para fechar o texto de forma bonita e impactante. Esse moço, que eu nunca saberei o nome e não vou ver novamente, já disse tudo pra mim e por mim. 

Alguns minutos após ele ir embora, eu me dirigi à livraria do shopping para garantir que seguirei o seu conselho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente