Pular para o conteúdo principal

Carta a ele.


Oi Pedro,

Não esperava encontrar uma carta sua em meio ao amontoado de correspondências aqui de casa. Foi uma surpresa boa, confesso. As coisas estão muito bem na minha vida, voltei ao Brasil há menos de duas semanas, por isso, demorei a responder.

Ao terminar de ler a sua carta, parei para pensar no quanto o amor vai muito além de sentir borboletas no estômago. Ele é cruel e doloroso, obriga-nos a ser mais forte do que imaginamos ser e no final, ainda assim, sobram boas lembranças.

Você se lembra quando eu te falei que nunca havia sofrido tanto por alguém, dias antes de embarcar? Meu coração precisava te dizer aquilo. Desculpe se te magoei, mas hoje eu posso dizer que são os opostos que o amor nos proporciona. Eu te amei como nunca havia amado também. E quando nos perdemos, o sofrimento inédito seria inevitável.

Ainda me lembro da sua voz, mesmo que vagamente. Ainda me lembro do quanto adorava andar de toalhas pela casa e a cada dia fazer uma nova dança engraçada para mim, enquanto eu tentava terminar de escrever algum conto novo. Ainda me lembro do quanto sorríamos juntos. Era constante, era simples.

E por isso até hoje ainda não entendo o motivo pelo qual terminamos. Se é que teve um motivo, único e crucial, além de uma junção de pequenas coisas, como você mesmo disse. E ainda assim, concordo com você quando diz que foi o melhor.

Dentre diversos motivos, foi melhor porque eu pude fazer aquela viagem que eu tanto sonhava e você nunca se interessou. Melhor porque eu encontrei o Fernando. Você deve ter visto no Facebook. Terminei o meu roteiro de viagem com ele e ainda acrescentamos lugares novos. Ele adora ler todos os meus textos, coisa que você tinha preguiça e eu sabia porque comentava as mesmas coisas de todos eles.

O Fernando também me faz sorrir e ainda fez aparecer o meu lado maduro. Ele me incentiva em tudo que eu faça ou sonhe fazer, ele acredita mais em mim do que mesma e eu precisava de alguém assim ao meu lado. Eu precisava de alguém maduro.

Por fim, obrigada, eu devo dizer, você foi o amor mais alegre e bobo que eu tive.

E obrigada, finalmente, por ser uma lembrança carinhosa que eu guardarei para sempre.

Melhor que não responda essa carta. Deixe como está.

Se cuida e juízo.

Flávia. 

Comentários

  1. Que lindo, é bom quando estamos bem e o amor se torna apenas uma lembrança carinhosa.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  2. Incrível como sempre! Quando comecei a ler, jurava que era real, que você recebeu mesmo uma carta e que respondeu assim! Até ler o Flavia no final pra entender, como pode ser tão talentosa? Tô encantada! <3 Parabéns!

    mabeato.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha que booom que achou isso!! rs
      Obrigada Marcella, mesmo! *-*

      Excluir
  3. Nossa, como você escreve bem, e falar de amor é com você mesmo, muito lindo, amei!

    http://destinoincertoo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Já fiz isso de querer deixar como está.
    Muitas vezes é preferível guardar boas lembranças do que começar uma discussão sem fim que estrague todas elas...

    Belo texto!
    Um beijo,

    http://algumasobservacoes.blogspot.com.br/
    http://escritoshumanos.blogspot.com.br/
    http://nossocdl.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Os vários tipos de amor quando descritos ficam tão... lindos.
    Eu gostei da sua carta, lindona, acho que as vezes é melhor deixar algumas coisas de lado e lutar pelas quais valem "mais" a pena. Curti muito.
    http://www.senhoritaliberdade.com/

    ResponderExcluir
  6. Amei o texto. Realmente existem amores que nos preparam para novos amores, e toda felicidade e sofrimento é válido para amadurecer.
    Obrigada amore pela visita la no Blog.
    Bjs
    www.laiscristine.com

    ResponderExcluir
  7. Algumas coisas realmente devem ficar sem resposta. Lindo texto. Tenha um dia abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. É muito bom quando termina e simplesmente vira amizade, sem um rancor..
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Incrível que quando leio seus textos, SEMPRE me lembro de alguma fase da minha vida. Você é ótima. :)
    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
  10. Owwwn, gente..Que lindo! Mas, seguir em frente é necessário.

    http://senhoritapriscila.blogspot.com
    Curti a fan page? (www)
    @priscilafrr,
    beijo.

    ResponderExcluir
  11. UAU! Esse tá ainda melhor que o primeiro que li (a carta dele).
    Sério, seus textos são lindos e profundos, além de muito bem escritos.
    Parabéns, Carolina. Você arrasa!

    Beijoss
    Meu Livro, Meu Mundo

    ResponderExcluir
  12. Gostei da sua carta, realmente pareceu real kk
    Certas coisas tem que ficar para tras mesmo. Já escrevi algo assim, baseado na realidade mesmo. Não consigo 'forjar' algo.. Enfim, gostei daqui, favoritei e vou seguir seu blog *--*

    Feliz 2014 para vc o/
    kisu
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não tenha medo de amar.

Uma coisa que eu aprendi a não ter medo é de amar. Sabe, igual todas as meninas tem? Preferem crucificar os homens, postar textos do Caio Fernando Abreu no Facebook e fica oscilando entre fingir ter amor-próprio e gritar ao mundo o quanto está sofrendo por um babaca qualquer. Parece que é mais fácil reclamar do que mudar uma realidade. Do que arriscar novamente.

Azar do cara que te largou, que te trocou, que te fez sofrer. Bola para frente, ele não é o último homem da face terra e pensando pelo lado positivo, menos um idiota que encontrará pelo caminho. Sua chance de esbarrar com alguém bacana aumentou em alguns por centos, não vê?

Generalizar que todos os homens não valem nada, que a vida é injusta, que você nunca mais vai querer outro relacionamento, sinceramente, não vai adiantar de nada. Quando o amor chegar novamente, não vai ter como fugir e tendo essas besteiras como pensamento, só vai atrasar (ou até mesmo estragar) toda uma história que te estava reservada. Você vai ficar se …

Obrigada por me fazer acreditar de novo.

Eu nunca fui medrosa, embora tenha sentido muito medo nos últimos meses. Medo de ser feliz de novo. Medo de me machucar mais uma vez. Medo de me fechar para o mundo e acabar me tornando mais uma dessas pessoas que só reclamam da vida. E o que eu mais senti, foi medo de deixar de acreditar nas pessoas e no amor.
E isso me destruía dia após dia. Ao mesmo tempo em que me sentia aliviada por achar que estava me protegendo naturalmente de novas decepções, não conseguia enxergar essa “nova eu” como a melhor saída. Afinal, existe algo mais triste que isso? Existe algum sentido em viver sem acreditar – seja lá no que for? Posso apostar que não!
Mas você me apareceu. E não foi amor à primeira vista, nem à segunda e desconfio que nem à vigésima vez. Foi muito mais bonito e entorpecente. Foi amor quando eu parei de olhar para trás. Foi amor quando eu queria te ver em um dia em que tudo estava dando errado para mim. Foi amor quando eu sorria ao receber uma mensagem sua de bom dia. Foi amor aos pouc…

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário.
É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu?
Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embarangar. Prefiro e…