Pular para o conteúdo principal

Um dia como autora.


A semana passou lentamente. Mais que isso, se arrastou, parecendo brincar comigo e com a minha ansiedade. Foi nessa semana que algumas pessoas próximas a mim descobriram a minha paixão por escrever. Porque eu não fazia muita questão de espalhar aos quatro ventos, afinal, eu nunca soube bem onde encaixar a frase ‘eu escrevo’ em meus diálogos.

E quando chegou o dia anterior (o dia em que eu viajaria), eu não estava mais nervosa, porque mesmo com a pequena mala já pronta e a animação de minha família, a ficha ainda não tinha caído.

Foi quando deu 02:30 da manhã e o ônibus enfim saiu da rodoviária que eu provavelmente acordei. Eu estava com um fone no ouvido, mas sem prestar atenção na música que tocava, porque muitas coisas passavam pela minha cabeça. Eu decidi reler o meu conto e o fiz umas três vezes e em cada uma delas ficava mais insegura. O que iriam achar dele? Nunca me achei boa suficiente, no entanto, as coisas estavam começando a acontecer para mim... Só que cada exposição é um risco, não é? Podem ser ouvidas críticas boas e ruins. Maldosas e incentivadoras.

Eu olhava a minha irmã ao meu lado dormindo tranquilamente. Meus pais conversavam baixinho para não acordar os outros passageiros. Vez ou outra sorriam para mim, mas eles não faziam ideia do quanto eu estava em pânico. E eu sorria de volta, mas em seguida retornava para o (nada) aconchego da minha poltrona. Nessa hora senti falta do meu namorado e do seu peito que é o melhor travesseiro e calmante para mim. Por motivos que eu juro que entendo, não pude tê-lo comigo nesse momento importante da minha vida. O que ficou combinado que ele estaria presente em todos os outros daqui para frente - sem exceção.

Peguei um livro qualquer para ler, mas me faltava concentração. E eu, como amante da leitura, não me permitiria passar voando pelas páginas. Desisti. Várias vezes. Forcei o sono, comi besteiras e ainda escrevi no bloco de notas do celular. Qualquer coisa que fizesse o tempo passar sem que eu percebesse, mas nada foi suficiente e eu passei grande parte da viagem acordada.

Quando enfim os meus pés tocaram o chão de São Paulo, o frio na barriga se tornou mais intenso. Era cedo e por isso, eu e minha família fizemos alguns passeios turísticos pela cidade. 

Mais horas se passaram e quando o relógio bateu as 13:25 eu já estava no local onde aconteceria o lançamento do livro. O meu coração estava a mil e eu só conseguia caminhar se fosse bem lentamente. Maravilhada e embabacada, percebi que havia chegado o tão esperado momento quando encontrei alguns outros autores que eu já conhecia pela internet acompanhados de seus familiares e vi diversos pôsteres dos livros a serem lançados espalhados pelo lugar. Meus olhos brilhavam.

Participei de uma palestra interessante sobre o mercado editorial, pude conversar com autores iniciantes e autores que já estão nessa estrada há algum tempo. Desfrutei de um ambiente em que o assunto principal eram livros, escrever, sonhar e não desistir. Eu me sentia em casa. Autografei exemplares de outros autores e ainda de pessoas que simplesmente se interessaram pelo livro. Recebi muitos elogios e palavras de carinho, além de abraços e ter experimentado de uma experiência única e incentivadora.

Saí de lá já era noite e eu estava muito cansada da viagem. Mas eu estava feliz. Realizada. E definitivamente certa do que eu queria fazer da vida: escrever. E dessa forma, emocionar pessoas, fazê-las sentir mais intensamente seus sentimentos, sem medo e sem vergonha. 

Comentários

  1. Que bacana você dividir com a gente essa experiência!
    Só pelo que leio no blog já acho que vai ter muito sucesso pela frente.

    Beijos
    http://manuellamontesanto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ai que perfeita essa experiência *-* Desejo muuuitas mais sensações como essas para você e que tudo continue a dar certo *-*
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Que bacana Maria, adorei!
    Seu blog é lindo *-*
    beijos, Camila

    http://www.truquesdestyling.com.br/

    ResponderExcluir
  4. owwwn que lindo texto, gostei :)
    Vem ver post novo lá no blog :) Vc vai gostar *-*
    pequenamenina31.blogspot.com.br
    Beeeeeeeeeijos, Patrícia Porto.

    ResponderExcluir
  5. Que liiiindo, você merece muito mais minha linda.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  6. É muito bom como certas experiências nos deixam realizadas. Tenha um dia abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. "Porque eu não fazia muita questão de espalhar aos quatro ventos, afinal, eu nunca soube bem onde encaixar a frase ‘eu escrevo’ em meus diálogos."
    Você me descreveu nessa frase. Sabe que quase ninguém dos meus conhecidos, incluindo familiares, sabem que eu gosto de escrever? Não sei se é vergonha, mas nunca compartilhei esse meu sonho de ser escritora com eles, até porque não sei se me incentivariam tanto a isso, mas já me sinto mais a vontade com desconhecidos e amigos que fiz pela internet e que me dão total apoio, sempre lendo meus textos e dando opiniões. E quanto a sua realização, digo mais uma vez que fico feliz, você escreve super bem, tem um talento incrível e merece tudo de bom que vier por aí! Tenho certeza que um dia verei um livro seu nas livrarias por aí! Sucesso! =)

    osdetalhesdeumavida.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que todo mundo demora um pouco para assumir mesmo né? Para mim foi inevitável! rs
      Você é uma linda, muito muito obrigada por todo carinho de SEMPRE ♥

      Excluir
  8. Esses momentos quando nós demoramos a perceber que algo está realmente acontecendo são realmente únicos. Nos enriquecem, tornam a vida mais especial. Parabéns por mais um texto brilhante, definitivamente você nasceu pra isso.

    Beijos,
    Gabi do www.chaecorujas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own Gabriela, muito obrigada... Meus olhos brilham quando leio algo assim *-*

      Excluir
  9. Queria, uma pessoa talentosa como você não deveria ter nenhum tipo de insegurança! Você é incrível e merece essa experiência! Se receber alguma crítica negativa, saiba que ela não procede. De agora em diante, você só vai brilhar! Esse vai ser só o iniciozinho de uma enxurrada de coisas boas na sua vida! :)
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  10. Acho que ficaria muito ansiosa também se estivesse indo a um lançamento de um livro meu.
    Você é talentosa e seus textos são lindos, nem precisa ficar ansiosa com a opinião dos outros =D
    Meu Filme virou Livro

    ResponderExcluir
  11. É legal ler o seu blog há tempos e perceber o quanto você está crescendo nesta profissão de escritora! Que você tem talento, isso é óbvio e lindo, por isso fico feliz em ver que mais e mais pessoas estão reconhecendo isso! :D

    Deu pra sentir o seu friozinho na barriga, ao ler a sua narrativa! :D

    Sucesso e felicidade sempre!
    Um beijo,

    http://algumasobservacoes.blogspot.com.br/
    http://escritoshumanos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ownn Fernanda, muito obrigada viu? Sinto a sinceridade no seu comentário e isso conta muito para mim. Esse incentivo é especial demais! ♥

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente