06 agosto 2014

O quase não é mais suficiente.


Ela não sentia vontade nenhuma de sair, pensou enquanto olhava a sms piscando na tela do celular. Não queria mais um encontro vazio para o seu histórico. Não queria fingir um sorriso enquanto o rapaz contava alguma piada horrível e nem ter de segurar em mãos grandes demais para as suas. Não queria mais um beijo sem sem sabor e sem sentimento. Não queria ter de inventar uma nova desculpa para não encontrá-lo mais depois de hoje - porque ela sabia que não ia querer mais nada. 

Não era nenhuma puritana, longe disso. 

Perdeu as contas de quantos homens já sentiram o seu gosto.


Ela só estava cansada. Desacreditada. Tentou tanto, com tantas pessoas, em tantos momentos, de todos os jeitos e deu sempre na mesma coisa: em nada. E para completar, acabara de entrar em uma fase muito crítica da sua vida: A do amadurecimento. Algo que é extremamente bom e ruim ao mesmo tempo. Porque, quando isso acontece, tudo que te rodeia precisa mudar também. Se não, perde a sintonia e elo. E foi o que aconteceu com ela.

As coisas que antes satisfaziam, não satisfazem mais. As mesmas conversas não são mais interessantes, os objetivos mudaram, as vontades inverteram e o coração, finalmente, desacelerou. Nunca quis perder tempo, mas também por que não admirar a paisagem a sua volta? Por isso, decidiu sair por aí caminhando. Mesmo que ainda sinta um medo terrível de errar o caminho, mesmo que a vontade seja de sair correndo desesperadamente, como se isso lhe passasse algum conforto de que, pelo menos, não estava parada.

Como há tempos não acontecia, ela sente que está completamente vazia - livre de dores e amores - e dessa vez quer se preencher com o que realmente vale a pena. Preservando a mente e o coração. Respeitando a si mesma, antes de tudo. Chega de meias histórias, meias verdades, meias felicidades. O quase não é mais suficiente.

Encontre-me:

Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Que texto mais lindo! "Meio" não é certo, acho que ninguém gosta de metades mal feitas. E quase nunca foi o suficiente para nada.

    Beijos,
    Diário Nepente

    ResponderExcluir
  2. "As coisas que antes satisfaziam, não satisfazem mais. As mesmas conversas não são mais interessantes, os objetivos mudaram, as vontades inverteram e o coração, finalmente, desacelerou. Nunca quis perder tempo, mas também por que não admirar a paisagem a sua volta? Por isso, decidiu sair por aí caminhando. Mesmo que ainda sinta um medo terrível de errar o caminho, mesmo que a vontade seja de sair correndo desesperadamente, como se isso lhe passasse alguma certeza de que, pelo menos, não estava parada."

    Você sempre me definindo nos seus textos né dona Carolina?!

    http://setudopodeser.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Aí sim! Nunca se contente com "metades", Carol! Algo que levo pra mim é sempre tentar dar o meu melhor, sabe, não gosto de nada pela metade. E isso me faz, consequentemente, esperar das pessoas a mesma a atitude, bem, o problema está aí...
    Eu já passei por muitas coisas e acho que é por isso que, muitas vezes, me identifico com seus textos. Sei lá, parece que em alguns dias estar vazia de sentimentos é se sentir leve e maravilhosa, mas em outros dias parece uma droga ver um monte de gente andando de mãos dadas enquanto estou abraçada com um livro. Fazer o que né, a vida é assim.
    Enfim, só quero te dizer que continue "estabelecendo seus padrões". Se você quer alguém por inteiro, não se deixe levar por metade de alguém, okay? Isso é mais ou menos como começar um relacionamento sabendo que mais cedo ou mais tarde ele vai acabar. O difícil - e talvez o mais importante - é que seu coração esteja em sintonia com seu cérebro, porque, cá entre nós, alguns sorrisos são tão lindos que nos fazem esquecer do resto! Cuidado!!

    Beijo, com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelos conselhos, Glenda! =)
      Mas é bem por aí e, ainda bem, está tudo em sintonia aqui dentro de mim.
      E com certeza, você sabe que eu sou fraca em relação ao amor né? haha Mas aprendi a não correr atrás mais, me concentrar em outras coisas, simplesmente desacelerei, acalmei.

      Excluir
  4. Nossa essa parte do texto tocou muito ''As coisas que antes satisfaziam, não satisfazem mais. As mesmas conversas não são mais interessantes, os objetivos mudaram, as vontades inverteram e o coração, finalmente, desacelerou.'' Seu texto é PERFEITO, sem mais, toca lá no fundo...
    Parabéns , bjos :*

    http://aqueladosviinte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ah... A fase do amadurecimento! ;(

    ResponderExcluir
  6. É, realmente chega de meias felicidades.
    Lindo texto.
    Um beijo,
    Isabella
    The Urban Trends

    ResponderExcluir
  7. Exatamente isso! De uns 3 anos pra cá me sinto exatamente assim. Vou até fazer um post sobre isso, você me inspirou a escrever sobre esse tipo de coisa que há muito tempo eu já vinha pensando :)
    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
  8. Opa! Mais um blog de textos ótimos, que coisa boa!
    Texto lindo demais! Você escreve muito bem e eu adoro textos do gênero! Adorei!
    http://www.escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ownn que bom que me achou e gostou!!
      Volte mais vezes ♥

      Excluir