Pular para o conteúdo principal

Vamos celebrar o amor, antes de tudo.


Dia dos namorados. Acho que não existe data mais polêmica e que mais gera controvérsias do que essa. Alguns casais postam fotos apaixonadas, cheias de sorrisos, presentes e declarações. Alguns dos que não namoram (e são mais revoltados) postam textos que condenam esse tipo de comportamento, outros mais tranquilos soltam piadinhas – que eu, particularmente, morro de rir. Mas a verdade é que são poucos os que realmente se calam e ignoram os dois lados.

Até o momento, eu já li uns dez textos com as mais diversas opiniões sobre o dia 12 de Junho e vi (e curti) incontáveis fotos de casais.

Bom, eu já namorei algumas vezes, estou namorando no momento e nunca fui de ficar postando fotos toda semana com a pessoa que estou. Nunca. Sou da opinião de que nada substitui um momento a dois, aquela cumplicidade, aqueles segredinhos do casal. Não exponho minhas intimidades, meus sentimentos, meus planos. Mas isso, veja bem, sou eu. Existem pessoas que gostam, que tem essa vontade de gritar para o mundo tudo de bom (e até de ruim) que acontece na sua vida e, por favor, qual é o problema?

Por que se incomodar tanto com o casal que posta foto juntos em comemoração a esse dia? Você também não posta foto com a sua mãe no dia das mães ou no dia do aniversário dela? Não posta foto sua no dia em que comemora mais um de vida? Não posta foto com a sua família na noite de Natal? São datas comemorativas e cada um celebra do jeito que quiser, postando quantas fotos quiser, só que ninguém reclama, mas quando chega o dia dos namorados... Aí não pode, porque é tudo falsidade.

E entramos agora no argumento principal dos que são contra expor as declarações: quem ama de verdade não precisa ficar provando para ninguém. Em consequência desse pensamento, os que postam fotos não namoram de verdade, estão com rabo preso e fazem isso por teatro/enganação, e por aí vai... Veja bem, isso acontece? Lógico que acontece. Entretanto, vou te contar um segredo: a mentira/forçação de barra existe em qualquer relação dentro e fora das redes sociais.

Conheço pessoas que tratam super mal o pai ou a mãe e, vez ou outra, fazem declarações no Facebook que não condizem com suas atitudes no dia a dia. Vejo amigas minhas postando fotos com “amigas” que, no dia anterior, ela estava falando mal da pessoa para mim. E sim, vejo casais que eu sei que um ou outro (ou os dois) não levam a sério a relação e, no entanto, bombam suas redes sociais de fotos apaixonadas.

Entendem aonde eu quero chegar? Por isso eu realmente não entendo esse recalque e implicância com o dia dos namorados. A consciência é de cada um, a vida é de cada um. Quem está perdendo é quem está interpretando um papel enquanto não vive verdadeiramente. Mas não cabe a nós julgar. E, principalmente, não cabe a nós descredibilizar todos os casais que gostam de se declarar nas redes sociais, simplesmente, por pirraça e preconceito.

Vamos viver, vamos celebrar o amor, vamos buscar a sinceridade em nossas vidas e, dessa forma, nada vai nos afetar. Afinal, quem está feliz consigo mesmo não está nem aí para a felicidade alheia ou o tal fingimento dela. 

Comentários

  1. Oi Carol! Que saudade dos seus textos!
    O dia dos namorados sempre será o dia mais polêmico do ano. E, na minha opinião, isso só se torna tão cansativo por causa das pessoas. Ninguém sabe agir naturalmente e comemorar a data como uma data especial - pra quem é especial. O atrapalho acontece tanto do lado de quem rasga seda de falsidade quanto do lado de quem critica e fica fazendo piadinha (e até dos que fazem bullying com os solteiros!). Tudo seria melhor se as pessoas soubessem "agir naturalmente", mas é meio difícil acreditar que um dia isso aconteça.

    Beijo, fique com Deus!
    http://tudo-oquesou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Glenda, que saudade de você!! rs
      Exatamente isso... Se cada vivesse a sua vida, naturalmente, não teria esse rebuliço todo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que você quer?

Depois de muito tempo sendo apenas passageira, vivendo totalmente sem rumo e sem um lugar para voltar, eu preciso de algumas certezas. Coisa boba, do tipo, o que você quer no momento? Digo, comigo. Com a vida. Com o amor. Está tudo envolvido, espero que saiba. Tudo ligado, mas também facilmente desligado, se for necessário . É que o seu jeito é uma junção de tudo que eu adoro, mas o meu jeito extrovertido é o que mais chama atenção em mim. O seu sorriso é lindo, mas o meu vive sendo elogiado também. Os seus olhos são claros e vivos, mas o meu são brilhosos e me revelam muito facilmente. Gosto do seu estilo e também do meu. A questão é que, todas essas coisas são superficiais ao mesmo tempo em que denunciam logo quando tem algo errado com a gente, já percebeu? Não quero sofrer novamente. Não quero me fechar, não quero perder o meu sorriso, não quero que as lágrimas inundem o meu rosto e principalmente, não quero passar a voltar a usar moletom. E engordar, me afundar, embara

Não estou indo para a forca!

Hoje o dia acordou cinzento e ensopado. Isso é diretamente responsável por 30% do meu mau humor matinal, tem coisa mais desanimadora do que acordar cedo no frio e com chuva? Liguei o chuveiro na temperatura pelando e sem pensar em horário, tomei um banho longo com o intuito de relaxar. Fiz um coração (e ainda escrevi a letra P) no espelho embaçado por causa do calor e após me arrumar, desci para tomar o meu café da manhã. Mamãe me deu um bom dia animado – mais que o normal. Papai apenas olhou para mim e sorriu de lado. E a minha irmã a essa hora ainda nem tinha levantado. Na televisão falava sobre exercícios importantes para o cérebro se manter ativo. Descobri que o meu deve estar para lá de sarado, porque a dica número um é ler . Enquanto o meu pão esquentava, eu arrumava a minha mochila para o longo e novo dia que estava por vir. Peguei o meu fone, “A Última Carta de Amor”, livro que estou lendo no momento e a minha carteira. Basicamente é disso que eu preciso. O celular já estava

2013

2013 . Quem se atreve a dizer que foi o melhor ou pior ano da sua vida? Se você consegue, sorte a sua! Para mim, confesso, ainda não consegui nem me decidir se foi um ano bom ou um ano ruim. Foi um dos anos que mais aconteceram coisas, muitas surpresas, decepções, novidades, recomeços...  Percebi que foram 365 dias bem divididos entre dias maravilhosos e dias tristes. E em cada área da minha vida tudo foi acontecendo de uma forma diferente da que eu esperava. Eu achei que em certo ramo estava estável e muito bem resolvida, mas exatamente nessa a vida me deu uma rasteira braba. Onde eu desejava tanto que algo acontecesse, não vi mudanças. Batalhei por objetivos que não foram alcançados, mas fui recompensada com surpresas incríveis.  E hoje eu posso ver que sobrou um imenso aprendizado. Aprendizado da vida, de mim mesma, das pessoas. Foi o ano em que mais fui exigida! Emocionalmente, com certeza. Mas também nas minhas responsabilidades, nas minhas relações, na minha mente